NOTÍCIAS
27/05/2015 16:32 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:13 -02

Uefa pede adiamento de eleições da Fifa após prisão de cartolas

A Uefa (União das Federações Europeias de Futebol) afirmou que as eleições para presidente da Fifa (Federação Internacional de Futebol), agendadas para sexta-feira (29), devem ser adiadas. O pedido vem após a prisão de sete cartolas e executivos da principal entidade do futebol mundial, inclusive José Maria Marín, ex-presidente da CBF.

O secretário geral da UEFA, Gianni Infantino, disse que as investigações de corrupção na FIFA "mancham a imagem do futebol como um todo" e que as associações europeias de futebol vão discutir na quinta se boicotam o congresso em Zurique.

Infanto afirmou que o comitê executivo do corpo gestor do futebol europeu quer uma "mudança de liderança" na FIFA, que o congresso seja adiado e novas eleições aconteçam em seis meses.

Os líderes da UEFA apoiaram o príncipe jordaniano Ali bin al Hussein, único a disputar a liderança da FIFA com Joseph Blatter.

A organização não governamental Transparency International, que combate a corrupção ao redor do mundo, também pediu o cancelamento das eleições de sexta e a resignação de Blatter. "Os avisos para a FIFA já estavam aí há muito tempo. A FIFA se recusou a adotador vários padrões básicos de boa governança que iriam reduzir o risco de corrupção", afirmou Cobus de Swardt, diretor da ONG.

"Blatter deve se resignar e novas eleições devem ser convocadas para marca uma nova era de lidernaça na FIFA. Ao mesmo tempo, devem ser apresentados todos os potenciais conflitos de interesses e todos os pagamentos de membros do comitê executivo. Suas mãos devem estar limpas e parecer limpas, completou Swardt.

LEIA MAIS:

- Ex-presidente da CBF José Maria Marin e outros seis dirigentes da Fifa são presos por corrupção em operação na Suíça

- "Vejo com muita satisfação", diz filho de Vladimir Herzog sobre prisão de José Maria Marin por corrupção na Fifa

- Antes de prisão de Marin, atual presidente da CBF Marco Polo Del Nero chamou gestão do ex-mandatário de ‘exemplar'