NOTÍCIAS
21/05/2015 21:16 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

L'Oréal quer usar impressoras 3d para produzir pele humana

iStock

Graças à pressão de grupos em defesa dos direitos dos animais, testes clínicos envolvendo bichanos têm diminuído ao longo dos anos.

Por outro lado, efeitos de cosméticos ou remédios ainda precisam ser extensamente avaliados antes que o produto vá para o mercado. Para tentar contornar este problema, a gigante L'Oréal está investindo pesado para imprimir pele humana.

Parece meio bizarro, mas desde os anos 80 a empresa realiza pesquisas com sobras de pele de cirurgia plástica a fim de desenvolver novas tecnologias para testes de toxicidade e eficácia.

De acordo com a Bloomberg, a L'Oréal não consegue produzir mais do que cinco metros quadrados de pele viva em laboratório por ano com os métodos de cultivo atuais.

Para tentar suprir a demanda por pele humana, a empresa anunciou uma parceria com a Organovo, líder em impressão 3d de tecidos humanos.

"A maior vantagem é a velocidade da produção e o nível de precisão que a impressão 3d pode atingir", disse Guive Balooch, vice-presidente global da incubadora de tecnologia da L'Oréal, ao The Washington Post.

Esta deve ser a primeira vez em que a impressão de tecidos 3d é aplicada na indústria de cosméticos. Hoje, a tecnologia é utilizada de forma experimental na produção de enxertos para queimaduras e em cirurgias reconstrutivas.

Os bichinhos agradecem.

Segundo a Bloomberg, a pesquisa será sediada nos laboratórios da Organovo e da L'Oréal, na Califórnia, e devem começar a apresentar os primeiros resultados daqui a cinco anos.