NOTÍCIAS
19/05/2015 15:37 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Afeganistão condena 11 policiais por linchamento e assassinato de jovem acusada - falsamente - de queimar alcorão

AP Photo

A justiça afegã condenou 11 policiais por abandono da função ao não impedirem uma multidão de linchar e assassinar uma jovem que foi - falsamente - acusada de queimar o alcorão.

De acordo com a Associated Press, eles devem passar um ano na prisão. Outros oito policiais foram inocentados por falta de provas.

A morte da jovem, identificada como Farkhunda gerou protestos no país e ao redor do mundo. No começo deste mês, quatro dos acusados foram condenados à morte, oito foram condenados a 16 anos de prisão e mais 18 foram liberados por falta de evidências.

Aparelhos celulares registraram a morte da mulher. Ela foi queimada, arrastada e jogada em um rio por uma multidão.

De acordo com veículos locais, a confusão começou depois que ela discutiu com um homem, que fez a acusação - ele está entre os que foram condenados à morte. Após a discussão, uma multidão se formou ao redor da jovem, e começou o linchamento.

Poucos dias após o crime, ativistas bloquearam as vias próximas à mesquita onde Farkhunda foi morta e percorreram o mesmo caminho feito pela multidão que linchou a jovem.

Muitas mulheres usavam máscaras com a foto do rosto da jovem coberto de sangue. O registro circulou pelas redes sociais.

O corpo de Farkhunda foi carregado por mulheres, que desafiaram a tradição de que apenas os homens podem comparecer a este tipo de cerimônia.