LGBT
15/05/2015 08:50 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Militante dos direitos humanos, deputado tucano Carlos Bezerra alfineta Telhada após polêmica em comissão da Alesp

Montagem/Reprodução Facebook

Apontado como provável presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), o deputado Carlos Bezerra Jr. (PSDB) usou a sua página no Facebook para se posicionar sobre a polêmica em torno do colega de partido, Coronel Telhada, indicado pela liderança tucana para a comissão.

“A defesa dos Direitos Humanos não pode ser ofuscada por promoção pessoal, picuinhas e marketing político rasteiro”, escreveu Bezerra. Em seguida, compartilhou uma entrevista que concedeu ao jornal Folha de S. Paulo, na qual considerou a presença do ex-comandante da Rota, a tropa de elite da Polícia Militar paulista, como ‘surreal’.

“Seria a mesma coisa que colocar uma pessoa com o meu perfil para comandar a Rota. A gente sabe que não vai dar certo e é a mesma situação surreal”, avaliou Bezerra à publicação.

A defesa dos Direitos Humanos não pode ser ofuscada por promoção pessoal, picuinhas e marketing político rasteiro. Falei...

Posted by Carlos Alberto Bezerra Jr on Quinta, 14 de maio de 2015

A primeira reunião da CDH nesta legislatura, que deveria ter acontecido na última quarta-feira (13), acabou não ocorrendo por falta de quórum. O PT e o PSol, partidos da oposição, esvaziaram o encontro e não enviaram os seus parlamentares. A ideia da bancada minoritária é usar o tempo restante até a nova reunião da comissão, na próxima semana, para costumar um acordo para ficar pelo menos com a vice-presidência da CDH, e conseguir que Telhada seja convencido a sair pelo próprio PSDB.

De acordo com a deputada estadual Beth Sahão (PT), “cabe agora ao PSDB decidir se de fato ele é o quadro que melhor terá condições de representar aquilo que o partido entende por defesa dos direitos humanos”. A parlamentar elogiou quadros tucanos que, segundo ela, eram e são representantes da sigla na área, como os ex-governadores de SP Mário Covas e Franco Montoro, e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Boa noite. Algumas atualizações sobre a questão da Comissão de Direitos Humanos da Alesp. Infelizmente, a reunião teve...

Posted by Beth Sahão on Quarta, 13 de maio de 2015

Na última terça-feira (12), o líder da bancada do PSDB na Alesp, deputado Carlão Pignatari, reafirmou a legitimidade da presença de Telhada na CDH. “Vivemos em uma democracia e o deputado Telhada foi eleito legitimamente como representante da população. A sociedade quer segurança, quer ter seus direitos humanos respeitados bem como os policiais de todo o Estado”, escreveu.

NOTA DA BANCADA DO PSDBCom relação às matérias publicadas sobre a participação do deputado Coronel Telhada na Comissão...

Posted by Bancada Tucana SP on Terça, 12 de maio de 2015

Já Telhada, que não compareceu à reunião da comissão na quarta-feira passada, se disse vítima de preconceito, o qual chamou de ‘policiofobia’. “Muitos dizem que policial não é humano, não tem coração, falam em direitos humanos, mas nunca fizeram nada na prática. Minha vida sempre foi dedicada à luta contra o crime”, comentou.

Vamos falar de 'policiofobia'...

Posted by Coronel Telhada on Quarta, 13 de maio de 2015

Nos últimos dias, o ex-comandante da Rota usou suas redes sociais para divulgar iniciativas e até um projeto apresentado por ele na área dos direitos humanos. As conversas de bastidores devem prosseguir nos próximos dias e, a princípio, Telhada já deu indicações de que não vai arredar o pé da indicação para a CDH.

“Indicação desrespeita os fundadores do PSDB”

Em entrevista à revista Carta Capital, o sociólogo Paulo Sérgio Pinheiro, que foi um dos fundadores do PSDB em 1988, disse considerar a indicação de Telhada para a CDH “um desrespeito” aos que criaram o partido.

“A objeção é muito clara porque esse deputado, quando foi comandante da Rota, fazia apologia à violência. Ele é suspeito de participar de mortes comandadas pela Rota e, evidentemente, foi processado por esses crimes. Embora tenha sido absolvido de todos, eu acho que esse currículo não é o mais adequado para participar de uma comissão de direitos humanos”, disse Pinheiro.

O sociólogo avaliou que Telhada “fazia demagogia ao defender famílias de policiais militares assassinados” durante a campanha eleitoral, e que o parlamentar pode ser mais útil em outras áreas.

“Nós consideramos que essa indicação é inadequada para o PSDB. Nossa expectativa é que a liderança reflita sobre isso. O governador Franco Montoro foi um lutador histórico dos direitos humanos. A memória dele e do Mário Covas está sendo desrespeitada. É realmente lamentável que esse legado importante contra a ditadura não seja levado em conta na escolha dos representantes do partido nessa comissão”, completou.

LEIA TAMBÉM

- Após indicação de Telhada, deputados de SP definem os rumos da Comissão de Direitos Humanos

- Após matar quase 1.000 em 2014, PM de SP mantém alto grau de letalidade em 2015

- ♥ ♥ ♥ 8 vezes em que Coronel Telhada foi um fofo ♥ ♥ ♥

- Geraldo Alckmin veta proibição do uso de bala de borracha em protestos aprovada pela Alesp

- ESTUDO: 2014 foi um ano ruim para a liberdade de expressão no Brasil