NOTÍCIAS
14/05/2015 13:54 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Recusados pela Tailândia, imigrantes ficam à deriva no sul da Ásia; Acnur alerta para 'desastre humanitário enorme'

Milhares de imigrantes à deriva em mares do sul da Ásia ficaram sem destino depois que a Tailândia recusou permissão para que um barco aportasse nesta quinta-feira (14), e a Malásia declarou que irá devolver os imigrantes ao mar.

Os aliciadores abandonaram embarcações repletas de imigrantes, muitos deles famintos e doentes, em reação à repressão ao tráfico humano na Tailândia, o destino mais comum dos muçulmanos rohingya – um povo sem Estado que a Organização das Nações Unidas (ONU) descreve como uma das minorias mais perseguidas do mundo e que foge da violência em Bangladesh e Mianmar.

A Tailândia não permitiu que um barco com 300 imigrantes, incluindo muitas mulheres e crianças, encontrado à deriva em suas águas nesta quinta-feira (14) chegasse à terra, disseram autoridades.

“Negamos a eles a entrada no país, mas lhes demos alimento e água em respeito a nossa obrigações em relação aos direitos humanos”, afirmou Puttichat Akhachan, general da polícia regional, à Reuters.

O barco foi encontrado a 17 quilômetros da costa da ilha de Koh Lipe, no sul do país. Imagens de televisão mostraram mães em prantos e crianças pequenas pedindo ajuda.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) alertou que a situação pode se tornar um “desastre humanitário enorme” e disse que os governos deveriam resgatar os migrantes, ao invés de mandá-los de volta.