NOTÍCIAS
10/05/2015 17:56 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:03 -02

Avalanches interrompem buscas no Nepal; mortos em terremoto passam de 8.000

AP Photo

Novas avalanches no norte do Nepal interromperam as buscas por corpos de vítimas do terremoto que devastou o país no dia 25 de abril. As condições climáticas também se deterioraram, com chuvas e neblina, tornando as buscas perigosas para as equipes de resgate. Até agora, já foram contabilizados mais de 8.000 mortos e 17.000 feridos por causa do tremor.

Na vila de Langtang Valley, onde ocorreram as novas avalanches neste sábado (9), 120 corpos já foram encontrados, sendo nove de estrangeiros. O local fica no meio de uma tradicional rota de alpinismo. Não está claro quantas vítimas ainda podem estar sob os escombros, após o vilarejo ter sido atingido por um deslizamento de terra causado pelo terremoto.

O tremor de 7,8 graus de magnitude na escala Richter deixou centenas de milhares de desabrigados, que ainda estão em tendas de acampamento espalhadas por praças e outros espaços públicos em todo o país. Autoridades da Organização das Nações Unidas (ONU)dizem que a resposta internacional à catástrofe tem sido lenta. A situação pode piorar ainda mais no próximo mês, quando começa a temporada das chuvas de monções.

Segundo os últimos dados oficiais atualizados pelo governo nepalês neste domingo (10), o terremoto matou 8.019 pessoas e feriu 17.866. O Centro Nacional de Operações de Emergência do Nepal disse que a maior parte dos feridos está na região administrativa de Katmandu e nos distritos de Sindhupalchok, ao norte da capital nepalesa.

Além disso, o governo do país asiático calcula que 290.800 construções ficaram totalmente destruídas e 251.800 parcialmente comprometidas. A ONU estima que 8 milhões de pessoas necessitem de ajuda e 3 milhões de alimentos. A ONU pediu US$ 415 milhões para auxiliar na reconstrução e no resgate das vítimas, dos quais só arrecadou até agora 10%, de acordo com o Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários.

O terremoto foi o de maior magnitude no Nepal em 80 anos e o pior na região do Himalaia em uma década, desde que, em 2005, outro tremor ocasionou a morte de mais de 84.000 pessoas na Caxemira.