NOTÍCIAS
06/05/2015 13:10 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Parte do financiamento concedido à Val Marchiori pelo Banco do Brasil foi utilizado para comprar um Porsche

Montagem/Estadão Conteúdo/Flickr

A socialite Val Marchiori conseguiu autorização do Banco do Brasil para comprar um carro de luxo com parte dos recursos do financiamento de caminhões para sua empresa. Val é amiga pessoal do atual presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, que antes comandava o banco estatal. As informações foram divulgadas pelo jornal Folha de S.Paulo nesta quarta-feira (6).

Em abril de 2013, o Banco do Brasil aprovou empréstimo de 3 milhões de reais à Torke Empreendimento, empresa da socialite registrada em São Paulo. O valor concedido, no entanto, foi de 2,79 milhões de reais. Os recursos, oriundos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), eram subsidiados pelo governo a juros de 4% ao ano.

Documentos obtidos pelo jornal mostram que, meses depois, Val solicitou o uso do limite do crédito, cerca de 200 000 reais, para a compra de um carro de passeio.

O banco estatal aprovou a ampliação do crédito em fevereiro de 2014. Com o recurso, a socialite adquiriu um Porsche Cayenne S, avaliado em 400 000 reais.

Ainda de acordo com a reportagem da Folha, não é praxe do Banco do Brasil autorizar o uso de “sobras” de empréstimos sem que haja ligação direta com o pedido do financiamento. No caso da Torke, o valor restante poderia ser usado para a compra de outro caminhão ou de peças, mas não para a aquisição de um carro particular.

Procurado por Veja São Paulo, o banco ainda não se pronunciou. À Folha o BB informou que o financiamento não empregou recursos do BNDES e que a Torke opera com o “BB nas linhas necessárias para condução dos seus negócios".

A assessoria de imprensa da socialite informou que não poderia responder aos questionamentos de Veja São Paulo no momento e que enviaria uma resposta "mais tarde". Em nota publicada em seu blog, que ficou no ar no site da Veja São Paulo até o fim do ano passado, Val afirmou que seguiu todas as regras e normas exigidas pelos bancos envolvidos para obter o financiamento para a Torke. No entanto, à época, desconhecia-se o crédito para a compra do Porsche.

LEIA MAIS

- Amizade rende até carona em jatinho do Banco do Brasil para a Argentina?

- TCU abre investigação sobre empréstimo do BB à Val Marchiori

- Mercado reprova novo presidente da Petrobras, que saiu do Banco do Brasil