NOTÍCIAS
06/05/2015 11:01 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Março registra 183.111 tentativas de fraude contra consumidor e bate recorde para o mês

iStock

O terceiro mês de 2015 registrou recorde de tentativas de fraude contra o consumidor, conhecida como roubo de identidade, em que dados pessoais são usados por criminosos para contrair dívidas, financiamentos e até firmar negócios sob falsa identidade.

De acordo com o Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraude - Consumidor, o mês de março teve 183.111 tentativas de golpe, o que representa uma a cada 14,6 segundos em todo o Brasil. O número é um recorde para o mês.

Em relação ao mesmo mês de 2014, houve aumento de 17,8% e, na comparação mensal, o crescimento chega a assustar: 25,8% ante fevereiro, quando o indicador registrou 145.534 tentativas de fraude.

Segundo os economistas da Serasa, o aumento das tentativas se deve à volta do período de férias escolares e carnaval. "Os fraudadores voltaram à carga total em suas tentativas de fraudes envolvendo consumidores, buscando tirar o máximo de proveito financeiro em meio a um cenário de estagnação e recessão da economia e dos negócios", comentou o estudo. Além disso, as reestruturações sociais e a internet também contribuíram com as falsas ações.

Setores alvos dos golpistas

O indicador ainda mostra os setores favoritos para os fraudadores darem golpes nos consumidores. Telefonia respondeu por 76.582 registros, totalizando 41,8% do total de tentativas de fraude realizadas, seguida por Serviços – que inclui construtoras, imobiliárias, seguradoras e serviços em geral (salões de beleza, pacotes turísticos etc.) –, com 50.366 registros, equivalente a 27,5% do total.

O setor bancário foi o terceiro do ranking, com 40.092 tentativas, 21,9% do total. O Varejo teve 13.239 tentativas de fraude, registrando 7,2% das investidas contra o consumidor, queda com relação ao percentual observado em março de 2014 (8,3%). Os demais segmentos representam 1,5% das tentativas.

Tentativas de golpe: como identificar e evitar?

Segundo a Serasa, as principais tentativas de golpe estão relacionadas ao uso do cartão de crédito, quando um golpista solicita um cartão de crédito usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a “conta” para a vítima e o prejuízo para o emissor do cartão, ou contraindo um financiamento no varejo, como eletrônicos. Neste caso, o golpista compra uma TV, aparelho de som ou celular usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a conta para a vítima.

Também há casos mais graves, como compra de automóveis e até abertura de empresas com os documentos roubados.

Para evitar essa dor de cabeça, a recomendação é não perder de vista documentos como RG, CPF, Carteira de Habilitação ao sair de casa, não se cadastrar em sites duvidosos e não responder e-mails de estranhos que pedem dados cadastrais para concorrer a "prêmios" ou "sorteios".