COMPORTAMENTO
03/05/2015 10:38 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Dia da Liberdade de Imprensa: 6 jornalistas inesquecíveis da ficção que dominam o imaginário

Hoje o mundo celebra o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

Há 13 anos, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) criou a data para relembrar todos os profissionais da imprensa que morreram ou foram torturados exercendo a profissão. Os casos em questão não são poucos. Só no ano passado foram 118 jornalistas assassinados no mundo, segundo a Federação Internacional de Jornalistas (FIP). A ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF), traz um outro ranking que mostra que o Brasil ocupa o terceiro lugar no pódio de países em que mais jornalistas são mortos na América Latina.

Para celebrar a vida dos profissionais responsáveis por informar desde uma mudança no tempo até uma próxima guerra mundial, eis uma lista com alguns jornalistas mais emblemáticos da ficção que dominam o imaginário no Brasil e no mundo:

1. Clark Kent (Super homem)

Clark é jornalista e trabalha jornal Planeta Diário, ao lado de Louis Lane e outros companheiros de redação. Ele "tenta" informar diariamente os que acontece em Metrópolis e no mundo - mas sempre que sente que algo errado e grave está para acontecer, tira o terno e os óculos de jornalista e se transforma em um super-herói adorado por todos os cidadãos que consegue impedir mortes, prender bandidos e solucionar problemas quase impossíveis.

2. Penélope (Castelo Rá-Tim-Bum)

Talento não é nada sem personalidade. A Penélope, do emblemático Castelo Rá-Tim-Bum ganhou o carinho dos brasileiros por combinar essas duas características, e sempre usando muito rosa e cheia de feminilidade. A telejornalista marca presença por onde passa e tem faro para boas notícias. Essa é para entrar para a historia do jornalismo da ficção. <3

3. Zoe Barnes (House of Cards)

Jovem e ambiciosa, Zoe Barnes almeja chegar no topo de da carreira e usa todos os seus atributos para conquistar espaço no jornal e contar boas histórias - da inteligência à beleza. Claro que esse tipo de comportamento tem um preço - a jornalista encara situações que a pegam de surpresa e que talvez sejam grandes demais para ela conseguir lidar..... Mas quem nunca, não é mesmo?

4. Miranda Priestly (O Diabo Veste Prada)

Essa personagem elevou o jornalismo a outro nível (e a outro salário!). Apesar da figura poderosa interpretada por Meryl Streep ser ícone do jornalismo de moda, vale lembrar das fragilidades dessa personagem, que abriu mão de diversos momentos pessoais para chegar aonde chegou. Vale mesmo à pena seguir o mesmo caminho?

5. Márcia J. e Wallace (Hermes e Renato)

Como não incluir o Jornal o Jornal, "o jornal que é mais jornal que o jornal que você compra na banca de jornal?" Histórias comoventes como a de Charlinho, o menino que só queria estudar, precisam ser contadas a todo o Brasil. Nada mais justo que isso seja feito pelo programa em que a zoeira não tem limites e que tem o compromisso de levar o jornalismo da fronteira da Colômbia até o telespectador.

6. Mikael Blomqvist (Millennium - Os Homens que Não Amavam as Mulheres)

Esse personagem deixa claro que credibilidade em jornalismo é coisa séria, e para ter a sua de volta foi contratado para desvendar o caso de assassinato de uma família mais ricas do país. Para chegar lá, teve que fazer a coisa certa no momento certo, chance zero para o erro. Pois é. Jornalismo investigativo é para poucos.

BÔNUS - Zé Bob (A Favorita)

Jornalistas precisam acreditar em um mundo ideal e justo antes de lutar por um. Fazer isso, ser dono de uma beleza nível garoto propaganda da Calvin Klein, e lidar com políticos e figuras poderosas ao mesmo tempo não é nada fácil. Não é tão difícil imaginar que a dupla que protagoniza a melhor versão de Beijinho Doce da história cairia aos pés do galã. Vai ver que charme é pré-requisito no currículo dos jornalistas. :P

LEIA MAIS:

- Tem Jeito: Por um jornalismo que não viva só de más notícias

- Quem mexeu no meu jornalismo?