NOTÍCIAS
02/05/2015 11:27 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Polícia da Tailândia encontra túmulos de possíveis vítimas de tráfico humano

Reuters

A Polícia da Tailândia encontrou neste sábado o corpo de 26 pessoas, enterrados em um acampamento abandonado que estaria ligado a redes de tráfico humano. Segundo ativistas, o tráfico humano está "fora de controle" no país do sudeste asiático.

A causa das mortes não está imediatamente clara. A descoberta do acampamento escondido entre as montanhas evidenciou que o tráfico continua na Tailândia, apesar de autoridades do país assegurarem repetidamente que estão trabalhando nas causas do problema.

"Acredito que as escavações terminaram, já que desenterramos todos os 32 túmulos, apesar de alguns não terem corpos", afirmou o general da polícia, Jarumporn Suramanee. "Vamos esperar os resultados de testes de DNA e análises de outras evidências antes de identificar quem são essas pessoas e quais as causas das mortes."

Autoridades afirmam que a área do acampamento, nas montanhas de Padang Besar, é regularmente usada no tráfico de muçulmanos, que são perseguidos nos países vizinhos, como Mianmar e Bangladesh.

Um porta-voz do governo, Sansern Kaewkamnerd, emitiu uma declaração no sábado, afirmando que a Tailândia está determinada a "eliminar todo o tipo de tráfico humano e evitar que a Tailândia se torne um ponto de trânsito". Kaewkamnerd acrescentou que as pessoas que operavam o acampamento serão "severamente punidas", independente de serem criminosos comuns ou oficiais corruptos.

O Human Rights Watch irá realizar uma investigação independente e afirmou que o envolvimento de funcionários corruptos do governo tailandês vem intensificando a indústria do tráfico.

"O tráfico de pessoas na Tailândia está fora de controle há muito tempo", disse Brad Adams, diretor da Human Rights Watch na Ásia. "O descobrimento de túmulos coletivos em um local de tráfico, infelizmente, não é grande surpresa." Em junho de 2014, os Estados Unidos colocaram a Tailândia na última categoria em uma avaliação anual sobre como os governos estão atuando contra o tráfico humano.

LEIA MAIS:

- 'Redução da maioridade não é a solução para a violência no Brasil'

- Para ONU, prisões superlotadas são 'epidemia'

- O que foi feito um ano após rapto das meninas na Nigéria?

- #HumanizaRedes: não é censura. Mas também não é revolução