MULHERES
02/05/2015 16:50 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Congo proíbe que muçulmanas cubram o rosto em locais públicos

SHAH MARAI via Getty Images
Burqa-clad Afghan women walk on the street on the outskirts of Herat on April 20, 2013. Afghanistan has made some progress in using the law to protect women against violence but many still suffer horrific abuse despite 11 years of Western intervention, a UN report on December 2012 showed. AFP PHOTO/ SHAH Marai (Photo credit should read SHAH MARAI/AFP/Getty Images)

Congo decidiu proibir mulheres de se cobrirem inteiramente com véus, com o objetivo de facilitar a identificação dos cidadãos e prevenir atos de violência praticados por extremistas. Segundo o presidente do Alto Conselho Islâmico do país, El Hadj Djibril Bopaka, a medida tem sido bem recebida pelos muçulmanos, que é minoria.

"Até o momento, não tivemos reações hostis à proposta", afirma o representante, acrescentando que mulheres ainda podem utilizar véus em espaços públicos, mas só podem cobrir inteiramente o rosto em casa. O governo também decidiu proibir que estrangeiros durmam em mesquitas, para encorajar refugiados a procurar a polícia para serem registrados. "Muitos irmãos muçulmanos da África Central estão abrigados em mesquitas e não se apresentam às autoridades. E não sabemos o que eles fazem aqui", diz.

Nascido no Mali, o comerciante Demba Ndhao está em Congo desde 1998 e acredita que as medidas irão ajudar a prevenir que pessoas envolvidas em grupos terroristas em nações vizinhas ampliem seu escopo de ação para o país. Mais de 90% da população de Congo é cristã e 800 mil muçulmanos registrados vivem no país.

Com informações Associated Press.