NOTÍCIAS
28/04/2015 10:06 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Indonésia deve executar Rodrigo Gularte, brasileiro condenado à morte por tráfico de drogas, nas próximas horas

Montagem / Agências de Notícias

O brasileiro Rodrigo Gularte e mais oito condenados por tráfico de drogas na Indonésia devem ser executados nos primeiros minutos de quarta-feira (29) - tarde de terça-feira (28), no horário local do Brasil.

Os condenados tiveram encontros de despedida com suas famílias. A prisão de segurança máxima da ilha, situada ao largo da costa de Java, teve reforço na proteção nesta terça.

Conselheiros religiosos, médicos e o pelotão de fuzilamento foram alertados para iniciar os preparativos finais para a execução, e uma dúzia de ambulâncias, algumas carregando caixões cobertos de cetim branco, chegaram ao local.

Gularte deve se tornar o segundo cidadão brasileiro a ser executado na Indonésia este ano, após o fuzilamento de Marco Archer, em janeiro, também condenado por tráfico de drogas.

Ele foi preso em julho de 2004 após entrar na Indonésia com 6 quilos de cocaína escondidos dentro de pranchas de surfe e foi condenado à morte em 2005.

Segundo informações do repórter da Folha de S.Paulo, Ricardo Gallo, Gularte recebeu a visita de uma prima, Angelita Muxfeldt e do encarregado de negócios da Embaixada do Brasil em Jacarta, Leonardo Monteiro.

Atendendo a um pedido de Gularte, seu corpo não deve ser cremado, mas trazido para o Brasil, onde será enterrado. Angelita disse que o primo está calmo, e que ainda não acredita no que vai acontecer.

Repercussão Internacional

Entre os condenados à morte está apenas um cidadão da Indonésia além de dois australianos, uma filipina, quatro nigerianos, e um brasileiro.

O francês Serge Atlaoui, de 51 anos, foi retirado desta lista de execuções, no sábado (25), devido a um recurso que está tramitando na Justiça indonésia.

Centenas de pessoas começaram a se reunir em cidades em toda a Austrália para vigílias por Myuran Sukumaran e Andrew Chan, segurando cartazes e pedindo que a Austrália dê uma forte resposta ao país vizinho se a Indonésia levar adiante as execuções.

As penas de morte foram condenadas pela Organização das Nações Unidas (ONU) e abalaram os laços da Indonésia com o Brasil e a Austrália.

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, disse, no sábado, que o governo prossegue os contatos regulares de mais “alto nível” com Jacarta, para tentar convencer a Indonésia a suspender a execução por razões humanitárias, uma vez que Gularte sofre de esquizofrenia.

Vieira disse que os diplomatas brasileiros em Jacarta continuam prestando assistência consular “tanto quanto é possível” para defender os interesses de Gularte, mas respeitando a soberania do país asiático e reconhecendo a gravidade do delito que ele cometeu.

O presidente das Filipinas, Benigno Aquino, disse ter feito um último apelo ao governo da Indonésia para poupar a filipina , alegando que ela poderia ser uma testemunha importante na investigação de cartéis de drogas.

O apelo foi o terceiro pedido pessoal do presidente, após a Procuradoria-Geral da Indonésia ter rejeitado o pedido das Filipinas na segunda (27) para uma segunda revisão jurídica do caso de Mary Jane Veloso, cujos advogados dizem que agiu como "mula" sem saber para traficantes de drogas.

(Com informações das agências de notícias.)

LEIA TAMBÉM:

- Quem é o segundo brasileiro que pode ser executado na Indonésia

- Indonésia nega trocar prisioneiros com a Austrália