NOTÍCIAS
27/04/2015 11:28 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Manifestação por transporte público em Parelheiros interrompe aula de Fernando Haddad na USP (FOTOS)

Divulgação/Facebook

Um protesto de moradores de Parelheiros, bairro da zona sul de São Paulo, interrompeu a aula do prefeito Fernando Haddad (PT) na manhã desta segunda-feira (27) na pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade de São Paulo (USP). As imagens da manifestação dentro da sala de aula foram divulgadas nas redes sociais.

>> AGORA! MORADORES DO BARRAGEM, BOSQUE E MARSILAC INTERROMPEM AULA DE HADDAD PARA EXIGIR O TRANSPORTE!Moradores dos...

Posted by Luta do Transporte no Extremo Sul on Segunda, 27 de abril de 2015

Em entrevista ao Brasil Post, Luize Tavares, militante na luta por transporte no extremo sul de São Paulo, explicou que o ato reuniu moradores dos bairros de Barragem, Marsilac, Bosque do Sol e Juza e que visou tentar uma abertura de diálogo com o prefeito para que linhas de ônibus sejam criadas na região, na qual pessoas “têm de andar até duas horas para ter acesso a transporte público”, segundo ela.

“Chegamos por volta das 9h e interrompemos a aula dele (Haddad). Quando fizemos isso, ele pediu para que voltássemos depois do intervalo. A gente se recusou, apresentamos o nosso histórico de reinvidicações e ele falou que se sentiu ofendido, depois saiu da sala. Fomos atrás dele e ele se recusou a assinar o nosso documento que pede uma reunião com os secretários”, disse Luize.

De acordo com a militante, em 2014 chegou a ser organizada uma “linha popular” por um dia, a qual contou com dinheiro de moradores e que operou “com lotação máxima e tarifa zero” o tempo todo. O fato, segundo os manifestantes, reforça a carência por mais linhas na região sul da capital paulista. As promessas já feitas a moradores, segundo os próprios, não foram cumpridas.

“O pessoal chegou a se acorrentar no saguão da prefeitura e saiu de lá com um compromisso que não foi cumprido. Em março foram feitas reuniões na Subprefeitura de Parelheiros, mas foram muito bagunçadas e as pessoas que compareciam eram técnicas, não podiam tomar decisões”, completou Luize, que definiu o protesto na aula de Haddad como uma forma de “contato direto” com o prefeito, sem intermediários.

O Brasil Post entrou em contato com a USP e com a Prefeitura de SP, que ficaram de dar um retorno sobre o assunto.

LEIA TAMBÉM

- Haddad vai privatizar Anhembi para a modernização do espaço

- Fernando Haddad foca temas 'polêmicos' em volta à sala de aula

- O acerto e o erro da ação do MPE que paralisou as obras das ciclovias de São Paulo