ENTRETENIMENTO
24/04/2015 11:45 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Nicole Kidman retornará ao teatro em Londres no papel da cientista britânica injustiçada Rosalind Franklin

LONDRES (Reuters) - Nicole Kidman vai voltar ao teatro em Londres em setembro. no papel da cientista britânica Rosalind Franklin, em "Photograph 51", 17 anos depois de a atriz de Hollywood fazer sua

Getty Images/Reprodução

A vida da "mãe do DNA", a cientista britânica Rosalind Franklin, será contada por Nicole Kidman nos teatros londrinos. Batizada de "Photograph 51", a peça, que foi escrita por Anna Ziegler e será dirigida por Michael Grandage, conta a história de Rosalind, cujo uso de imagens de difração de raios X levou à descoberta da dupla estrutura helicoidal do DNA, em 1953.

Não estamos acostumados a ver Nicole no teatro, mas a atriz tem história com os palcos. Ela estreou em 1998 com a peça "The Blue Room", de David Hare, em uma performance aclamada pela crítica, e que chegou a ser descrita como "puro viagra teatral". Por esse papel ela foi indicada ao Olivier Award, principal premiação do teatro de Londres.

Michael Grandage, que está produzindo a peça, é também o diretor do próximo filme de Nicole, "Genius", que conta a história de Max Perkins, que trabalhou com lendas literárias como F. Scott Fitzgerald e Ernest Hemingway. Nicole será Aline Bernstein, figurinista dos anos 1920, completamente apaixonada por pelo autor Thomas Wolfe.

Em entrevista ao The Guardian Nicole disse que vem planejando seu retorno ao teatro já há algum tempo. "A vida e outros trabalhos conspiraram para me manter afastada, mas estou determinada a fazer, pelo menos, uma das propostas que recebi acontecer. E esta é uma delas".

A peça será encenada no Noel Coward Theatre e marcará o retorno da companhia de teatro de Grandage ao West End, depois de uma temporada de produções de sucesso em 2013/2014, entre as quais "Henrique V", estrelado pelo ator britânico Jude Law. A previsão é de que "Photograph 51" seja encenada de 14 de setembro a 21 de novembro.

Cientista injustiçada

Rosalind Franklin, que muitos consideram a pesquisadora mais injustiçada na ciência moderna, foi a primeira pesquisadora a fotografar a molécula de DNA usando uma técnica de difração de raios X. Artigos escritos por ela e não publicados na época mostram que ela já havia determinado alguns aspectos da estrutura da molécula antes de outros cientistas.

Francis Crick e James Watson, pesquisadores da universidade de Cambridge, tiveram acesso a imagens feitas por Rosalind e desenvolveram seu trabalho com base nelas. Em 1953, eles publicaram, na revista científica “Nature”, seu famoso estudo revelando a descoberta do DNA. O texto trazia escassas referências ao trabalho de Rosalind.

A biofísica ainda publicaria seu próprio artigo sobre o assunto, na mesma revista, algum tempo depois. Mas era tarde demais. Crick e Watson entraram para a história como os descobridores do DNA e dividiram o prêmio Nobel de 1962 com Maurice Wilkins pela descoberta. Cartas reveladas recentemente deixam explícito o desprezo que seus colegas sentiam por ela.

(Com Reuters)

LEIA MAIS:

- A incrível história da 'rainha na neurociência' e seu prêmio Nobel

- Estas histórias mostram porque é tão difícil ser mulher - e cientista