NOTÍCIAS
16/04/2015 20:26 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Cunhada de Vaccari negocia para se entregar nesta sexta-feira (17). Advogados consideram a prisão do ex-tesoureiro injusta

Montagem/Estadão Conteúdo

Considerada foragida pela Polícia Federal, a cunhada do ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, avisou que vai se entregar amanhã. Marice Corrêa de Lima é suspeita de ter ter participado do esquema de corrupção na Petrobras. De acordo com a Folha de S.Paulo, os advogados dela negociam como será o procedimento na sexta-feira (17).

Entre as denúncias contra Marice, há o indicativo de lavagem de dinheiro. As investigações indicam que ela comprou um apartamento por R$ 200 mil e o vendeu por R$ 400 mil para a OAS, também envolvida na Operação Lava Jato.

Segundo o procurador do Ministério Público Federal Carlos Fernando Lima, a negociação do imóvel é típica de lavagem de dinheiro. Ele ressalta que Marice está há muito tempo sendo investigada por operar junto com o ex-tesoureiro as doações ilegais.

Também pesa contra ela o depoimento do doleiro Alberto Youssef. Ele disse que o dinheiro da propina de um contrato firmado pela Toshiba foi entregue a ela, que seria a emissária de Vaccari.

No mesmo dia em que o tesoureiro foi preso, a PF expediu um mandado de prisão temporária de cinco dias para ela. Quando os agentes foram até a casa de Marice, ela não estava. De acordo com os advogados, ela estaria no exterior. Também foi emitido um mandado de busca e apreensão e a PF apreendeu documentos.

Injustiça

Nesta quinta-feira (16), os advogados de Vaccari afirmaram, por meio de nota, que vão entrar com um habeas corpus para questionar a prisão do ex-tesoureiro. De acordo com a defesa do petista, o mandato foi expedido baseado em "conjecturas e prognósticos". Alega ainda que palavra de delator não é prova.

Na nota, os advogados também dizem que a prisão é uma profunda injustiça e nega todas as acusações.

Sem sucessor

A cúpula do PT discutiu por mais de quatro horas nesta quinta-feira e não conseguiu chegar a um acordo sobre quem deveria suceder Vaccari na Secretaria de Finanças. O presidente do partido, Rui Falcão, deseja que o substituto seja um integrante da tendência majoritária da sigla, a Construindo um Novo Brasil (CNB).