NOTÍCIAS
07/04/2015 13:04 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Mano Brown levou ‘um mata leão' durante abordagem da PM, diz secretário Eduardo Suplicy

Montagem/Estadão Conteúdo

O secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Eduardo Suplicy, usou a sua página no Facebook para contar ‘o outro lado’ da abordagem policial que gerou a prisão do rapper Mano Brown na tarde desta segunda-feira (6), em São Paulo. De acordo com o ex-senador, Brown recebeu um mata leão de um policial e foi derrubado no chão.

“Foi parado por batalhão de PMs. Abriu os vidros, desceu do carro. Mandaram ele elevar os braços por trás da cabeça. Brown pediu para não tocarem nele. Um forte policial deu-lhe um mata leão e o derrubou no chão. Diversos passaram a ofende-lo. Algemaram-no e o levaram ao 37DP, no Campo Limpo (sic)”, escreveu Suplicy.

Nesta segunda, Mano Brown, dos Racionais Mc's, foi à farmácia comprar um remédio para sua mãe, que esteve hospitalizada....

Posted by Eduardo Suplicy on Terça, 7 de abril de 2015

De acordo com a polícia, o rapper estava com a carteira de habilitação vencida e com a documentação irregular do veículo que dirigia. O R7 informou que a dívida do carro chega a R$ 10 mil. A prisão aconteceu, segundo os policiais, por conta da atitude de Brown, que teria desacatado os agentes durante a operação.

Na opinião de Suplicy, “o fato de o exame de saúde da carteira de habilitação estar vencido não justificava aquele procedimento”. “Maior respeito e civilidade especialmente aos negros se faz necessário (sic)”, concluiu o secretário de Direitos Humanos da capital paulista.

Mano Brown foi liberado pela Polícia Civil horas depois, ainda na segunda-feira. O advogado Raphael Ornaghi, representante do rapper, justificou que toda a confusão se deu após um policial encostar nele, que estava erguendo os braços, seguindo uma ordem de outro PM. A reação dele fez os demais policiais reagirem, resultando na prisão.

Os agentes negaram qualquer agressão, apesar de Ornaghi dizer que Brown machucou os cotovelos durante a ação policial.

Não foi a primeira vez em que o rapper do grupo Racionais MCs se envolveu em polêmicas com a polícia. Em 2004, ele foi pego com uma ponta de cigarro de maconha e acabou preso também sob a alegação de desacato e tentativa de agressão. Acabou liberado no dia seguinte, depois de pagar uma fiança de R$ 60.

LEIA TAMBÉM

- ASSISTA: Mano Brown ‘fala a real' sobre a diminuição da maioridade penal

- FOTOS: O show de 25 anos do Racionais MCs

- Eduardo Suplicy defende moradores de rua e discute com policiais militares

- Senador Eduardo Suplicy diz ter sido vítima de calúnia por vereador de São Paulo e irá à Justiça