NOTÍCIAS
06/04/2015 16:18 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Depois de circular foto da morte de promotor nas redes, Turquia bloqueia Twitter e YouTube

ISTAMBUL/ANCARA/FRANKFURT (Reuters) - O acesso ao Twitter e ao YouTube foi bloqueado na Turquia nesta segunda-feira por decisão judicial baseada em queixas de indivíduos, segundo uma fonte da área de

Reprodução/Twitter

O acesso ao Twitter e ao YouTube foi bloqueado na Turquia nesta segunda-feira (6). A decisão judicial foi baseada em queixas de indivíduos, segundo uma fonte da área de telecomunicações do país, enquanto um promotor solicitou a proibição de sites de mídia social depois de circularem imagens do incidente envolvendo a morte de um promotor na semana passada.

A Turquia bloqueou temporariamente o Twitter e o YouTube pouco antes das eleições locais em março de 2014, depois que gravações de áudio que supostamente mostravam corrupção no círculo próximo ao então primeiro-ministro Tayyip Erdogan foram vazados nos sites. A decisão causou grande tumulto entre o público e atraiu duras críticas internacionais.

O órgão regulador de telecomunicações da Turquia não pôde ser contatado de imediato para comentar a medida desta segunda-feira, e não havia comunicado em seu website.

O Facebook acatou a decisão de um tribunal turco exigindo que a companhia restringisse acesso a certos conteúdos ou enfrentasse o bloqueio de seu serviço, disse um porta-voz da empresa nesta segunda-feira. "Acatamos a decisão, mas vamos apelar", disse o porta-voz em resposta por email a uma pergunta da Reuters.

Os bloqueios acontecem menos de uma semana após um promotor de Istambul ter sido morto, depois que forças de segurança invadiram o escritório onde membros de um grupo de extrema esquerda o haviam feito refém. Segundo diversos jornais turcos, os bloqueios surgiram após fotos do promotor sendo mantido sob mira de uma arma terem circulado nas mídias sociais, enquanto o cerco estava em andamento.

A Turquia entrou com cinco vezes mais pedidos de remoção de conteúdo junto ao Twitter do que qualquer outro país na segunda metade de 2014, segundo dados publicados em fevereiro pelo site de microblog. No ano passado, a Turquia endureceu leis que permitem que sites sejam bloqueados pelas autoridades mais facilmente.