NOTÍCIAS
25/03/2015 19:58 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Torcidas de São Paulo e Palmeiras se unem para reclamar de preço do ingresso

montagem / Estadão Conteúdo

As duas principais torcidas organizadas de São Paulo e Palmeiras criticaram em nota oficial publicada nesta quarta-feira o preço dos ingressos estipulado aos visitantes para o clássico entre as equipes pelo Campeonato Paulista, no Allianz Parque. Os alviverdes manifestaram apoio aos tricolores, que decidiram não ir ao jogo por considerar muito alto o valor de R$ 200 cobrado pelas entradas.

Em comunicado, a torcida do São Paulo pede para que os 100 torcedores que já compraram as entradas, devolvam os bilhetes e peguem o dinheiro de volta. "A Torcida Independente não irá para o 'chiqueiro'. Não podemos abandonar nosso associado no (Largo) do Paissandu (sede da torcida), que não tem como pagar R$ 200 no ingresso", diz o texto da Torcida Independente. "Aqui somos uma família, um por todos e todos pelo São Paulo Futebol Clube. Se meu amigo não vai, nós também não iremos", completa.

Horas depois a torcida do Palmeiras mostrou apoio aos adversários e elogiou a decisão dos são-paulinos, além de criticar o presidente do clube, Paulo Nobre. A Mancha Alviverde demonstrou estar preocupada que os bilhetes com preço elevados também possam ser aplicados por outros clubes em jogos em que o time será visitante. "Esse abuso que o presidente do Palmeiras está cobrando do visitante também irá refletir em nossa torcida quando formos nós os visitantes e já reflete como mandantes", diz.

A relação entre as organizadas e o presidente Paulo Nobre está longe de ser positiva. Em 2013, o presidente rompeu relação com as uniformizadas após os jogadores serem agredidos na Argentina, depois de uma partida contra o Tigre, pela Copa Libertadores. Na confusão, o goleiro Fernando Prass foi ferido na orelha após um torcedor arremessar uma xícara em direção aos atletas.

O mesmo preço de R$ 200 foi fixado pela diretoria do Palmeiras em outras duas partidas da equipe contra adversários da Série A neste Campeonato Paulista. Porém, tanto Ponte Preta como Corinthians reclamaram do valor e conseguiram a redução para R$ 100.

LEIA MAIS

- 'O maior medo do cartola é não poder sair na rua', diz presidente do Atlético-PR

- O que esperar da nova MP do futebol

- Neymar pode 'mandar' cartola do Barça e amigo de Ricardo Teixeira para prisão