NOTÍCIAS
25/03/2015 14:11 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Análise da caixa-preta do avião da Germanwings pode levar 'semanas ou meses', afirmam investigadores franceses

Agências de Notícias

A análise do conteúdo da primeira caixa-preta do Airbus A320 daGermanwings, que caiu nesta terça-feira (24) nos Alpes Franceses pode levar semanas ou até meses.

De acordo com informações do Centro de Análise de Acidentes de Aviação Civil (BEA, sigla em francês), embora estivesse danificada, foi possível extrair um arquivo de áudio da caixa-preta, onde é possível ouvir “sons e vozes”.

Em entrevista coletiva, um representante do BEA se recusou a fazer maiores comentários, afirmou que é muito cedo para tirar conclusões sobre o fato, e disse ainda que nenhuma hipótese está descartada.

(Continue lendo a matéria após a galeria)

Galeria de Fotos O acidente da Germanwings na imprensa internacional Veja Fotos

Ele não quis dizer qual a duração da gravação nem em qual idioma os pilotos conversavam. O representante também se negou a confirmar se a tripulação estava consciente durante a queda.

“Faz poucos minutos que temos o arquivo de áudio”, afirmou.

A análise dos dados será mais precisa, de acordo com o BEA, quando a segunda caixa-preta, que contém os parâmetros de voo for localizada. As equipes de busca se concentram em encontrar a segunda caixa e outras peças principais do avião, que podem ajudar na investigação das causas.

A possibilidade de explosão está praticamente descartada. O avião, segundo as investigações, voou inteiro até se chocar contra o solo e uma mensagem rotineira, confirmando o recebimento de um comando, foi o último contato dos pilotos com a torre de controle. No entanto, a aeronave foi acompanhada pelos radares mesmo após a perda de contato.

“A última posição registrada pelo radar é muito perto do local da queda”.

Líderes

O presidente francês, François Hollande, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o líder do governo espanhol, Mariano Rajoy, concederam nesta quarta-feira (25) uma entrevista coletiva em Seyne-les-Alpes, na França, próximo de onde estão os destroços.

Eles foram recebidos pelas equipes de resgate que trabalham no local.

Embora não haja nenhum cidadão francês confirmado entre as vítimas até o momento, a França tem papel fundamental nas investigações, que até então são conduzidas pelo país em parceria com a Espanha e com a Alemanha, de onde são a maioria das vítimas.

"A França fará a identificação e a entrega dos corpos com muito cuidado, e faremos todo o possível para que as famílias que venham sejam recebidas e apoiadas", afirmou o mandatário.

Hollande também reforçou o tom de diplomacia e união que marcou a coletiva: "Querida Angela [Merkel], querido Mariano [Rajoy], estejam seguros de que projetaremos toda a luz para esclarecer as circunstâncias desta catástrofe".

Merkel e Rajoy enfatizaram a boa relação entre os países envolvidos na investigação e fizeram um apelo pela unidade europeia.

"Nestas horas complicadas devemos permanecer juntos. Presidente Hollande, muito obrigada em nome de milhões de alemães", afirmou Merkel.

Rajoy também reforçou o compromisso do governo espanhol em "identificar a repatriar as vítimas nas melhores condições possíveis".

"Quero agradecer de forma especial ao povo francês e ao presidente Hollande. Seu comportamento foi generoso, próprio de amigos e que corresponde a uma grande nação como é a França", finalizou.