NOTÍCIAS
24/03/2015 09:33 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Falsário se passava por ex-baterista de Elton John é preso pela polícia em São Paulo

Montagem/AP

Na última terça-feira (17), o escrivão da Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom) recebeu um visita ilustre. O ex-baterista do cantor britânico Elton John, Charlie Morgan, foi comunicar aos policiais o roubo de um Rolex, um pingente de ouro e 8 mil libras, furtados durante um assalto na frente da Estação Barra Funda, na zona oeste da capital paulista. O passaporte também havia sido roubado.

O deslize do "astro", que informou ser natural de Liverpool, na Inglaterra, foi a filiação registrada no boletim de ocorrência. Pai: Reginald Kenneth Dwight, nome verdadeiro de Elton John. Mãe: Alice Cooper Carrara Morgan Dwight. Aos desavisados, o americano Alice Cooper é uma das figuras mais importantes do rock. Mas o suposto músico ousou ainda mais: informou que morava na Rua Penny Lane, via de Liverpool que virou música dos Beatles e que no boletim tornou-se Panne Lany.

Intrigados com o caso, os investigadores levantaram informações sobre a vítima. Primeiro, em incursões em redes sociais. Em um dos vídeos, ele se apresentava em uma escola em São Paulo, onde prometia levar os cinco melhores alunos para uma viagem à Inglaterra.

Depois, encontraram familiares do suposto músico no Brasil. Após checagens, descobriram que aquele que se apresentava como baterista de Elton John é, na verdade, José Eduardo Carrara, de 54 anos, paulista, morador de Pirituba, na zona norte.

Foi aí que, para Carrara, "the house has fallen". Ou, em bom português, "a casa caiu". Agora, Carrara responderá a quatro inquéritos por falsidade ideológica e por falsa comunicação de crime. Os policiais investigam, ainda, se ele cobrava para participar de palestras e eventos.

Idiomas

Ele se apresentou na delegacia na segunda-feira, onde prestou depoimento, tomou café e cantou músicas de Elton John. Antes de descobrirem a armação, porém, os policiais também foram vítimas da farsa. Apesar de dizer que falava 12 idiomas, até mesmo o português, ele fez o relato à polícia em inglês. Para registrar o boletim de ocorrência, foi preciso usar o Google Tradutor.

LEIA TAMBÉM

- Com Rota à frente, Polícia Militar de SP caminha para igualar o recorde de mortes em 2015

- Violência contra jovens brasileiros apresenta pior índice desde 2005 e pode ceifar a vida de 42 mil até 2019

- Pedida até pelos PMs, a desmilitarização da polícia no Brasil está prevista há cinco anos

- Brasil tem 19 cidades entre as 50 mais violentas do mundo, aponta ONG mexicana (ESTUDO)

- PM de SP mata três vezes mais negros do que brancos (ESTUDO)