NOTÍCIAS
20/03/2015 11:19 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Eclipse total do Sol é visto em arquipélago da Noruega; milhões observam fenômeno no hemisfério norte

Reuters

Milhares de pessoas contemplaram o céu em ilhas remotas do Ártico para observar um eclipse solar nesta sexta-feira (20), num espetáculo que também foi parcialmente observado por milhões na Europa, na África e na Ásia.

Quem estava no remoto arquipélago de Svalbard, na Noruega, foi contemplado com uma perfeita visão do eclipse, quando a Lua bloqueou completamente o Sol, lançando uma sombra sobre o local. As pessoas gritaram, comemoraram e aplaudiram quando Longyearbyen, a principal cidade de Svalbard, mergulhou na escuridão. O céu estava limpo, oferecendo uma ampla visão da coroa do Sol, um fino anel de raios ao redor da Lua, que só é visível durante um eclipse solar total.

Um eclipse solar acontece quando a Lua se alinha entre o Sol e a Terra. Isso joga uma sombra lunar sobre a superfície da Terra e obscurece o Sol. Durante um eclipse parcial, apenas parte do Sol é bloqueado. Embora algumas pessoas tenham conseguido ver exatamente o que queriam, outras não tiveram a mesma sorte. Uma série de nuvens sobre as Ilhas Faeroe, no Atlântico Norte, impediram que milhares de pessoas pudessem aproveitar a experiência. As Ilhas Faroe e Svalbard são os únicos dois lugares onde o eclipse foi total. Cerca de 20 mil visitantes viajaram para os dois arquipélagos para ver o eclipse.

Um eclipse parcial pode ser visto nesta sexta-feira em toda a Europa e em partes da Ásia e da África. O escritório de meteorologia britânico disse que 95% do Sol ficou encoberto nas ilhas Hebrides, Orkneys e Shetland e um pouco menos mais ao sul, em Glasgow e Edimburgo.

Em Copenhague, o Sol ficou 85% encoberto, porcentual que foi de 80% na Suécia. O tempo nublado impediu que o fenômeno fosse bem visualizado em grandes partes do continente. O último eclipse total aconteceu em novembro de 2012 sobre a Austrália. O próximo acontecerá sobre a Indonésia em março de 2016, segundo a Nasa.

(Com informações das agências de notícias)