NOTÍCIAS
19/03/2015 18:22 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Não deixe para amanhã: transforme seus planos em ações

Reprodução/Flickr/narghee-la/

Por mais que tente, você não consegue dar conta de todas as tarefas que se propôs realizar. Dia após dia, promete a si mesma não atrasar a entrega do trabalho ou não adiar a matrícula na academia ou no curso de pós-graduação. Mas passam semanas e meses e tudo continua da mesma forma. Com mil coisas para fazer, você se sente cansada, enrolada, angustiada pela falta de capacidade para gerir o tempo e a rotina. Vive se questionando e empurrando tudo com a barriga.

O hábito de postergar tarefas e protelar ações tem nome: procrastinação. Sim, soa estranho. Mas as sensações que o comportamento desencadeia talvez você conheça. Quem sofre com o problema se cobra o tempo todo, tentando ser mais organizada e, digamos, responsável, pois se sente em um emaranhado de tarefas incompletas, que precisam ser finalizadas. “Tal postura desqualifica a pesse a faz perder a admiração de quem convive com ela. O resultado, a longo prazo, é a diminuição da autoconfiança, que nasce do não cumprimento das próprias promessas”, analisa o psicólogo Frederico Mattos, de São Paulo, autor do livro Como Se Libertar do Ex (Editora Matrix) e Mães Que Amam Demais (Editora BRVCom Cultural).

Com a vida a mil nos dias de hoje, é comum assumir vários trabalhos e compromissos e não conseguir dar conta de tudo, deixando as coisas para serem resolvidas sempre no dia seguinte ou em uma data não definida. O problema é quando isso se transforma em um hábito. “Quando esse ‘deixar para amanhã’ se torna um ato constante, acaba afetando a nossa qualidade de vida e gerando muitos conflitos. Isso porque nos damos conta de que a maior parte dos nossos projetos foi deixada de lado”, completa Mattos.

Se você sempre retarda suas tarefas e nunca conclui o que estabeleceu para si mesma, é preciso ficar atenta. “Ao planejarmos algo, o cérebro já começa a trabalhar a fim de executar a atividade. Caso ela não seja realizada, há uma descompensação nos níveis cerebrais e motores, gerando grande stress e ansiedade”, explica Maura de Albanesi, psicoterapeuta e mestre em psicologia, de São Paulo.

Mas essa dificuldade de cumprir o que foi proposto, quando se torna algo corriqueiro, nem sempre tem a ver com a vida agitada. “A pessoa que tende a adiar suas tarefas, o faz independentemente de ter muitos compromissos. No fundo, ela sempre acha que tem tempo de sobra, mas acaba se sentindo atropelada pelas inúmeras solicitações e não realiza as tarefas dentro do prazo estipulado. Resultado? Utiliza a artimanha de ter muito por fazer, quando o que falta é organização e definição de prioridades”, enfatiza a especialista.

Você empurra a vida com a barriga?

Transferir para outra hora tarefas menos prazerosas e se envolver em outras não tão importantes, mas mais gostosas de realizar, desencadeia alívio temporário. Quer um exemplo? Você resolve dar um tempo na execução de um trabalho para arrumar a caixa de maquiagem. Na hora, isso pode ser bom, mas depois vai gerar um peso enorme. “Não é simples identificarmos o problema, principalmente se esse tipo de atitude já virou um hábito”, avisa Frederico Mattos. No entanto, algumas características podem apontar o distúrbio. Para identificar se o “seu deixar para amanhã” é uma atitude esporádica ou não, responda:

Você sempre justifica seus atrasos por falta de tempo ou cansaço?

Mistura tarefas menos importantes com as que precisam ser resolvidas rapidamente?

Não consegue organizar tarefas priorizando o que é importante de fato?

Age de forma perfeccionista e nunca inicia algo sem ter as condições ideais?

Se você respondeu sim a mais de duas perguntas, é bom procurar ajuda para aprender a se organizar melhor e estabelecer prioridades.

Plano de ação

Algumas atitudes ajudam a administrar melhor o dia a dia. Veja as dicas.

• Programe-se anotando em uma agenda ou calendário o que deverá cumprir no dia seguinte. Ou seja, quais serão suas tarefas.

• Não centralize tudo. Aprenda a pedir ajuda sempre que necessário.

• Calcule sua disponibilidade e não marque compromissos em um curto espaço de tempo.

• Trace planos com prazos realistas.

• Leve em consideração que no dia a dia podem ocorrer imprevistos.

• Durante o dia, tire um tempo só para você.

• Faça uma lista de prioridades.

• Evite apagar incêndios que não dizem respeito a você.

• Aceite que errar é humano e faz parte do aprendizado.

• Abandone o barco em situações que já não fazem sentido para sua vida e admita sua desistência para não ficar fingindo para si mesma falta de tempo ou de oportunidade.

• Comece uma tarefa por vez, finalizando-a antes de iniciar outra.

• Existem ocasiões nas quais é permitido procrastinar, por isso é importante diferenciar tarefas inadiáveis das que podem ser deixadas para depois. Sem prejuízo nem culpa.

LEIA MAIS:

- Procrastinar: a ciência por trás da mania de adiar o que precisa ser feito

- 4 lições de carreira para aprender com a ativista Amal Alamuddin

- Pessoas incompetentes não sabem que são incompetentes