NOTÍCIAS
19/03/2015 13:50 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:23 -02

Estado Islâmico assume autoria de ataque contra museu na Tunísia; incidente matou 23 pessoas

AP Photo/Christophe Ena

O Estado Islâmico assumiu, nesta quinta-feira (19), a autoria do ataque a um museu na Tunísia que deixou 23 mortos, a maioria turistas.

Em uma gravação de áudio distribuída online, o grupo elogiava os dois autores do ataque, chamados de "cavaleiros do Estado Islâmico", que estavam armados com submetralhadoras e bombas.

De acordo com o conteúdo divulgado em um fórum online, os dois atiradores foram mortos após ficarem sem munição. O Estado Islâmico prometeu outros ataques.

"Esperem pelas boas novas que farão mal a vocês, impuros, porque o que vocês veem hoje é a primeira gota da chuva", diz o comunicado, cuja existência também foi alertada pelo SITE Intelligence Group, que acompanha ações extremistas na internet.

Homens armados fizeram um ataque ao maior museu de Túnis, capital da Túnisia, na quarta-feira (18). O incidente foi o pior em um local turístico da Tunísia em anos. Por causa do ataque, uma empresa de cruzeiros italiana anunciou que vai cancelar todas as paradas dos navios no país.

O Estado Islâmico, que é baseado na Síria e no Iraque, tem um braço atuante na Líbia, onde muitos tunisianos foram receber treinamento. No começo desta semana, um importante comandante tunisiano do Estado Islâmico foi morto em combate na Líbia.

O governo da Tunísia anunciou que prendeu nove pessoas - quatro ligadas diretamente ao ataque e cinco que apoiaram o atentado de outras partes do país, de acordo com autoridades.

Um dos atiradores já era conhecido da polícia, segundo o primeiro-ministro Habib Essid. Ele afirmou ainda que a Tunísia trabalha em conjunto com outras nações para saber mais sobre os criminosos, identificados como Yassine Laabidi e Hatem Khachnaoui.

(Com informações das agências de notícias)