NOTÍCIAS
18/03/2015 15:40 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:13 -02

Ministro do STF nega recurso do PPS que pede investigação de Dilma Rousseff

Montagem/Estadão Conteúdo

O ministro Teori Zavascki do Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta terça-feira (17) recurso protocolado pelo PPS na última sexta-feira (13), que pedia que a presidente Dilma Rousseff (PT) fosse investigada por citação pelos delatores da Operação Lava Jato. No documento, que foi entregue ao Supremo pelo deputado federal Raul Jungmann (PPS-PE), a sigla questionava a decisão da Procuradoria-Geral da República (PGR) de não pedir investigação de Dilma por ter sido citada pelos delatores da Lava Jato.

A decisão ocorreu no mesmo dia em que o senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), anunciou que a legenda iria endossar o pedido do PPS para que Zavascki autorize investigação sobre a presidente Dilma. "Amanhã, a partir de uma iniciativa do PPS, os partidos de oposição estarão buscando se encontrar com o ministro Teori... as oposições em razão das citações dos depoimentos da delação premiada vão pedir que se abra investigação em relação à presidente República", afirmou Aécio. A fala do senador ocorreu antes de ele tomar conhecimento sobre a decisão de Zavascki. Até a noite desta terça, a assessoria do PSDB não havia se posicionado sobre o despacho do STF rejeitando o pedido.

Ao analisar o pedido do PPS, o ministro argumenta que a petição foi feita de forma errada, alegando que o agravo regimental é apócrifo (sem autor) e "sequer indica quem seria o subscritor, se advogado ou não. Não há identificação alguma, nem mesmo por timbre", escreveu Zavascki em despacho realizado hoje. "A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal impede que se conheça de recurso sem assinatura de advogado, já que a ausência de assinatura do advogado na petição", complementou o ministro.

Além disso, o ministro também nega pedido do PPS para tornar-se parte do processo. Zavascki argumenta que tal solicitação não cabe nessa fase do caso, ainda em inquérito, e que esse tipo de demanda só poderá ser feito quando já houver denúncia formal por meio do Ministério Público e, consequentemente, abertura de ação penal.

Dilma

Ao enviar o material da Operação Lava Jato ao Supremo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidiu não se manifestar sobre pedido de inquérito ou arquivamento relacionado à Dilma. O procurador alegou que a menção ao nome da presidente era referente ao fato anterior ao mandato da petista e que, por isso, artigo 86 da Constituição veda investigação de presidente da República por fatos que tenham ocorrido fora do exercício de mandato.

LEIA TAMBÉM

- Calcado em cinco pontos, pacote anticorrupção é lançado pela presidente Dilma Rousseff em Brasília

- Impopularidade de Dilma supera a de FHC, no pior momento de seu mandato, e cola na de Collor antes de impeachment

- Manifestante que foi às ruas no domingo ganha bem, tem perfil de centro-direita, votou em Aécio e aprova impeachment de Dilma (PESQUISAS)

- Documento do Planalto admite 'comunicação errática' e fala em 'recuperar as ruas'

- Para Aécio, a senhora idosa, como a presidente definiu a corrupção, veste Prada e usa uma estrela vermelha no peito