NOTÍCIAS
18/03/2015 11:21 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:13 -02

Machismo nos quadrinhos: artista brasileiro pede à DC que não publique capa de 'Batgirl'

Que o mundo dos quadrinhos é machista, não é novidade. Mas, nesta semana, o quadrinista brasileiro Rafael Albuquerque pediu à DC Comics que uma ilustração sua, especial para a edição de Batgirl #41, não fosse publicada. Eis o motivo:

Ela foi feita para uma série de capas variantes para comemorar os 75 anos do Coringa.

O vilão é retratado com Batgirl, numa referência à icônica cena de A Piada Mortal (1988), de Alan Moore e Brian Bolland, em que a super-heroína é baleada pelo Coringa – motivo pelo qual ela fica paraplégica na clássica história.

A escolha da cena foi feita pelo próprio Albuquerque, mas a reação na internet causou a reviravolta. A DC aceitou o pedido do artista de não usá-la.

Albuquerque emitiu nota sobre o acontecido (via Legião dos Heróis):

"Minha capa variante da Batgirl foi feita para homenagear um quadrinho que eu realmente admiro e sei que é o favorito de muitos leitores. A Piada Mortal é parte da história da Batgirl e, artisticamente, não pode evitar retratar a traumática relação entre Barbara Gordon e o Coringa.

Para mim, era apenas uma capa assustadora que trazia a tona algo do passado da personagem que eu interpretei artisticamente. Mas ficou claro que, para outros, tocou um importante nervo. Eu respeito essas opiniões e, apenas da discussão sobre se é certo ou errado, nenhuma opinião deve ser invalidada.

Minha intenção nunca foi a de machucar ou chatear ninguém com minha arte. Por essa razão, eu recomendei que a DC retirasse a capa variante. Estou muito satisfeito que a DC Comics está ouvindo minhas preocupações e não irá publicar a arte de capa em Junho como previamente anunciado.

Com todo o respeito,

Rafa"

Em entrevista ao UOL, ele fez outro acerto ao reconhecer a realidade:

"A indústria de HQ sempre foi machista. É importante revermos nossos valores e nossas posições. É preciso aprender a ouvir, ter empatia por quem tem uma opinião diferente da sua. Se colocar no lugar do outro e considerar. Discussões na internet tendem a virar birras infantis, de um lado ou de outro."

O artista não recebeu ameaças, como reforçado no Twitter pelo corroteirista da série Cameron Stewart, mas apenas mensagens de oposição à obra.

Stewart esclareceu também que apoia a decisão de Albuquerque. A capa não condiz com Batgirl hoje e não houve censura – todo time por trás do quadrinho concordou com o não uso da capa.

A capa que será publicada pode ser vista aqui. O quadrinho chega às bancas em junho.

LEIA TAMBÉM:

- Mulheres brasileiras nos quadrinhos: esse clube não é só para homens

- A Mulher-Gato é bissexual, mas a DC só resolveu te contar agora

- Feminismo: nos quadrinhos, versão feminina de Thor dá surra em vilão machista