NOTÍCIAS
16/03/2015 12:57 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Um dia após protestos, Levy diz que Dilma está 'tranquila' em relação às medidas adotadas para a economia brasileira

Montagem/Estadão Conteúdo

Um dia após os protestos contra o governo federal, que levaram mais de 2 milhões de pessoas às ruas em várias cidades do País, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, deu uma palestra na Associação Comercial de São Paulo. Entre os temas abordados, o ministro defendeu a presidente, dizendo que ela está tranquila em relação às medidas adotadas para reajustar a economia do País.

"As medidas [que estão sendo substituídas] foram adotadas em um momento em que se falava em medidas anticíclicas", disse Levy, acrescentando que tais propostas não eram permanentes porque não se sustentavam do ponto de vista fiscal. "Não temos como manter as medidas anticíclicas", afirmou.

O ministro disse nesta segunda-feira que o governo está praticando realismo de preços e exercendo "grande disciplina" como forma de sustentar o ajuste fiscal. "O governo está fazendo sua parte. O governo não criou novos impostos e está usando de grande disciplina fiscal", disse Levy no encontro com empresários, acrescentando que Dilma está "absolutamente tranquila e confortável em relação às medidas que estão sendo adotadas."

Os ajustes fiscais, ainda de acordo com Levy, têm como objetivo evitar cenários muito desfavoráveis, de 'downgrade', de crise cambial e de inflação alta. "Se fizermos ajustes necessários, realmente estaremos num cenário em que as pessoas poderão sentir o chão firme e começar a trabalhar."

Ele também defendeu Dilma quanto à crise mundial. "Quando a presidente diz que o mundo mudou, não é desculpa". Para ele, as medidas adotadas neste ano não são apenas medidas, mas uma forma de a economia brasileira se ajustar a uma nova situação da economia mundial.

(Com informações das agências Reuters e Estadão Conteúdo)