NOTÍCIAS
15/03/2015 17:46 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Seja nas ruas ou nas redes sociais, oposição e governistas se manifestam sobre protestos

Montagem/Estadão Conteúdo/Fotos Públicas

Políticos tanto de oposição quanto governistas, além de celebridades, aproveitaram os protestos deste domingo (15) para se manifestar. Enquanto o PT faziam uma campanha nas redes sociais pedindo menos ódio, outros grupos empurravam as pessoas paras ruas.

De saída do PT, a senadora paulista Marta Suplicy foi uma das que apoiou o protesto contra o governo da presidente Dilma Rousseff. No Facebook, ela fez críticas à correligionária, a qual considerou "incapaz de dar respostas a uma sucessão de crises".

"Protestos contra os equívocos e a inércia de um governo que se tem mostrado incapaz de dar respostas a uma sucessão de crises. Que saibam compreender a mensagem das ruas. Um bom domingo para o Brasil e os brasileiros."



O ex-jogador de futebol Ronaldo Fenômeno, que já tinha confirmado presença, apareceu na Avenida Paulista com uma camiseta escrito: "A culpa não é minha. Eu votei no Aécio".

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato derrotado nas eleições do ano passado, também endossou o protesto. Do seu apartamento na Avenida Vieira Souto, orla do Rio, em Ipanema, o senador foi visto na janela do apartamento vestindo uma camisa amarela da seleção brasileira, símbolo dos ativistas, e falando ao telefone.

Embora não tenha ido às ruas, o senador comemorou o protesto em um vídeo publicado no Facebook.



Coordenador da comissão sobre reforma política do PSDB, o deputado federal Marcus Pestana (MG) aproveitou o dia para dizer que o objetivo das manifestações de hoje não é o impeachment, mas "não se calar diante da roubalheira".

"O Impeachment não é o objetivo, é consequência. Não é desejo, é um instrumento previsto na constituição. Para provocar o afastamento da presidente é preciso três pressupostos: solidez jurídica, apoio popular e apoio parlamentar. O que apostamos é nas investigações nas CPIs que vão ditar o ritmo e o rumo do País."

Já entre os que participaram "in loco" está o candidato à presidência em 2014 pelo PV, o ex-deputado Eduardo Jorge. Sobre o impeachment ele disse: "Não podemos fazer as coisas com atropelo".

Nas redes sociais, os petistas enalteceram o governo Dilma e alfinetaram os oposicionistas. a hashtag #MenosÓdioMaisDemocracia chegou a ficar nos trending topics do Twitter.

(com Estadão Conteúdo)