NOTÍCIAS
11/03/2015 19:45 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Jean Wyllys e Marco Feliciano são assediados pelo PT para dividirem as vice-presidências da Comissão de Direitos Humanos

Montagem/Estadão Conteúdo

Para garantir a presidência da Comissão de Direitos Humanos, o PT articula um acordo para emplacar os deputados Marco Feliciano (PSC-SP) e Jean Wyllys (PSol-RJ) como primeiro e segundo vice-presidentes do colegiado. A manobra, de acordo com o candidato do PT ao comando do colegiado, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), contempla todos os grupos.

A proposta agrada à Bancada Evangélica, que não conseguiu lançar um candidato avulso para disputar com Pimenta e atende à demanda progressista, por indicar um nome de conseno na luta pelos direitos LGBT.

Desde quarta-feira passada (4), o PT e o grupo articulam uma maneira de assumir o comando do colegiado. Pelo acordo de líderes, o posto pertence aos petistas, mas a ala evangélica tem insistido em emplacar o presidente. Uma das atitudes foi tentar barrar os progressistas. Os religiosos conseguiram, por exemplo, tirar a vaga de Jean Wyllys na semana passada.

Esta semana, o PT costurou um acordo com o PSB, que cedeu a vaga para trazer o deputado de volta. Ao Estado de S. Paulo, Jean Wyllys disse que a sociedade tem que entender que o papel da política é o diálogo.

Feliciano acrescentou que a ideia é montar a chapa para mostrar que o Congresso é lugar de consenso.

Em 2013, Feliciano presidiu a comissão e sua gestão foi marcada pela polêmica. Ele chegou a pautar o projeto da "cura gay", que previa tratamento psicológico para curar a homossexualidade.

LEIA TAMBÉM:

- Comissão de Direitos Humanos pode ter perfil fundamentalista e deputado anti-direitos dos gays na presidência

- Bancada evangélica isola Jean Wyllys e quer ficar com a Comissão de Direitos Humanos