NOTÍCIAS
09/03/2015 18:05 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

FHC diz que coalizão de Lula está falida e Aloysio Nunes afirma que quer ver a presidente 'sangrar'

Montagem/Estadão Conteúdo

Duas lideranças doPSDB, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o senador Aloysio Nunes (SP), ex-candidato a vice na chapa de Aécio Neves, afinaram nesta segunda-feira (09) o discurso de que não adianta tirar a presidenteDilma Rousseff do comando do país.

Em um evento no Instituto Fernando Henrique Cardoso, o ex-presidente disse que tirar a presidente não resolve crise política pela qual passa o governo. A informação do Valor ressalta ainda que, na avaliação de FHC, o modelo de coalização criado pelo ex-presidente Lula se desmoronou.

"Se exauriu o modelo de presidenciualismo de coalização que na verdade era um presidencialismo de cooptação. O sistema político está esgotado".

Protestos

Crítico do governo, Aloysio Nunes também se disse contra o impeachment, mas afirmou, segundo a Folha de S. Paulo, que prefere ver a petista sangrar pelos próximos quatro anos.

"Não quero que ela saia, quero sangrar a Dilma, não quero que o Brasil seja presidido pelo Michel Temer (PMDB)."

Embora seja contra a saída da mandatária, o senador se disse a favor dos protestos marcados para o próximo dia 15 por acreditar que é uma forma de se manifestar contra vários fatores, como o ajuste fiscal e os escândalos de corrupção.

As afirmações de FHC e Aloysio Nunes não são unânimes na oposição. O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), favorável ao impeachment criticou as declarações dos tucanos.

Para Caiado, essa mesma tese foi adotada em 2005, quando deixaram Lula sangrar no escândalo do mensalão. Segundo ele, a sangria do ex-presidente petista se transformou em meio de cultura para proliferar a corrupção no País.