NOTÍCIAS
08/03/2015 19:37 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Brasil perde para Argentina em batalha histórica de quase 7 horas na Copa Davis

Marcos Brindicci/Reuters

Em uma verdadeira maratona, com quase sete horas de duração, João Souza, o Feijão, lutou muito, mas não conseguiu superar a raça e o talento do argentino Leonardo Mayer e perdeu o quarto confronto pela primeira rodada do Grupo Mundial da Copa Davis por 3 sets a 2, parciais de 7/6 (7/4), 7/6(7/5), 5/7, 5/7 e 15/13.

O duelo entrou para a história do tênis mundial ao registrar 6 horas e 42 minutos, batendo vários recordes: o terceiro confronto oficial de maior duração do esporte, o maior confronto de simples em uma Davis e o maior confronto no saibro.

O Brasil ainda tem chance de voltar a disputar as quartas de final do Grupo Mundial, o que não acontece desde 2001, quando perdeu da Austrália em Florianópolis. Para isso acontecer, Thomaz Bellucci precisa vencer seu confronto contra Federico Delbonis.

O jogo foi equilibrado desde seu início, com trocas de bola firmes, slices, deixadas e todo o repertório que um bom estilo de tênis pode oferecer. O primeiro set não teve quebra de serviço. Com isso, o duelo foi para o tie-break e Mayer usou toda a sua experiência de número 23 do mundo para fechar em 7/4.

O roteiro se repetiu no segundo set, com pontos disputados com muita energia e variação de jogadas. E novamente o argentino foi mais eficaz para fechar o tie-break em 7/5.

No terceiro set, quando a torcida argentina fazia mais pressão e a situação era bem complicada para Feijão, contra tudo e contra todos o brasileiro buscou forças para conseguir quebrar duas vezes o argentino, e sofrer uma quebra, manter a vantagem e fechar em 7/5.

No quarto set, Feijão continuou ativo na partida, forçando os erros de Mayer e definindo seus pontos de maneira segura. O brasileiro quebrou três vezes o serviço do argentino, mesmo sendo quebrado duas vezes, para fechar a parcial também em 7/5.

O último set, que na Copa Davis não é definido por tie-break, foi uma prova de resistência heroica dos dois jogadores. Numa verdadeira etapa de força física, psicológica e técnica, os dois tenistas levaram à loucura brasileiros e argentinos presente ao complexo Tecnópolis, na Grande Buenos Aires, sede do confronto da Davis na capital argentina. Entre os torcedores argentinos estava Juan Martin Del Potro, que festejava e se desesperava a cada ponto de seu compatriota.

Após trocarem quebras de serviços, os tenistas lutaram a cada ponto pela vitória final. Após Mayer receber massagens de seu técnico durante todo o set e Feijão pedir atendimento médico após o 19º game do quinto set, parecia que os dois jogadores iriam cair na quadra pedindo atendimento médico a qualquer momento. Mayer, irritado com a torcida argentina, pedia para que seus compatriotas não fizessem barulho entre os pontos, para que ele aproveitasse a vantagem e pressionasse o brasileiro. Feijão, que a esta altura já tinha salvo seis de seus dez match points contra no total, mantinha a cabeça no próximo ponto, evitando ceder à pressão do confronto.

Com o término do 25º game, Mayer e Feijão voltaram a receber atendimento médico considerável, quando o duelo já superava 6 horas e 25 minutos, batendo naquele momento a marca do quarto jogo de maior duração na história do tênis, 6h22 minutos, também pela Copa Davis, na vitória de John McEnroe sobre Mats Wilander, em 1982. O duelo também era o maior jogo de simples da Davis em duração.

Com 14 a 13 para Mayer, Feijão sacou, como sempre no quinto set, pressionado para não perder seu game, o que daria a vitória ao argentino e o quarto ponto no confronto. Mas a prova foi muito dura. Mayer conseguiu boas devoluções e venceu a partida ao aproveitar seu 11º match point. Para coroar o épico duelo, os dois jogadores se abraçaram e integrantes das equipes também se cumprimentaram, entre eles Bruno Soares e Mayer.