NOTÍCIAS
06/03/2015 12:39 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Militantes do Estado Islâmico arrasam antiga cidade assíria de Nimrud, no Iraque

AP Photo

Combatentes do Estado Islâmico saquearam e devastaram a antiga cidade assíria de Nimrud, informou o governo iraquiano, no mais recente ataque dos militantes a alguns dos maiores tesouros arqueológicos e culturais do mundo.

Uma fonte tribal da vizinha cidade de Mossul disse à Reuters que o grupo ultrarradical islâmico sunita, que considera a herança cultural pré-islâmica do Iraque como idolatria, saqueou a cidade de cerca de 3.000 anos, situada às margens do rio Tigre.

O ataque contra Nimrud ocorre apenas uma semana após a divulgação de um vídeo mostrando forças do Estado Islâmico esmagando estátuas e esculturas de museus em Mossul, cidade que ocuparam em junho passado, ocasião em que se apoderaram de boa parte do norte do Iraque.

"Gangues terroristas Daesh continuam a desafiar a vontade do mundo e os sentimentos de humanidade", disse o Ministério do Turismo e das Antiguidades do Iraque, referindo-se ao Estado islâmico por seu acrônimo em árabe.

"Em um novo crime em sua bárbara série de delitos, eles assaltaram a antiga cidade de Nimrud e a devastaram com máquinas pesadas, apropriando-se de peças arqueológicas que datam de 13 séculos antes de Cristo”, disse o ministério.

Nimrud, situada cerca de 30 quilômetros ao sul de Mossul, foi fundada por volta de 1250 a. C. Quatro séculos mais tarde, tornou-se a capital do novo Império Assírio – na época, o Estado mais poderoso da terra, que se estendia até o atual território do Egito, Turquia e Irã.

Muitos de seus mais famosos monumentos sobreviventes foram removidos do local há anos por arqueólogos, incluindo colossais touros alados, agora no Museu Britânico, em Londres, e centenas de pedras preciosas e moedas de ouro que foram levados para Bagdá.

Mas ruínas da cidade antiga permanecem no local, escavado por uma série de especialistas desde o século 19. O arqueólogo britânico Max Mallowan e sua mulher, a escritora de romances policiais Agatha Christie, trabalharam em Nimrud na década de 1950.