NOTÍCIAS
05/03/2015 12:23 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Criação de sub-relatorias causa tumulto e bate-boca entre deputados na CPI da Petrobras (VÍDEO)

ED FERREIRA/ESTADÃO CONTEÚDO

A criação de quatro sub-relatorias para a CPI da Petrobras causou polêmica e discussão no plenário 2 da Câmara dos Deputados na manhã desta quinta-feira (5), com gritos e trocas de ofensas. O tumulto começou com o anúncio, pelo presidente da comissão, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), da criação de quatro sub-relatorias, o que provocou grande discussão, com protestos do PT, PPS, Psol e PSB.

As sub-relatorias são as seguintes:

- Superfaturamento e gestão temerária na construção de refinarias.

- Constituição de empresas com a finalidade de praticar atos ilícitos;

- Superfaturamento e gestão temerária na construção e afretamento de navios de transporte, navios-plataforma e navios-sonda;

- Irregularidades na operação da companhia Sete Brasil e na venda de ativos da Petrobras na África.

Apesar de o relator, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), ainda não ter apresentado seu plano de trabalho aos membros da comissão, a decisão do presidente de criar quatro sub-relatorias provocou divergências.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) apresentou questão de ordem para que o relator apresente o seu plano de trabalho antes da indicação dos sub-relatores. Ela disse que sub-relatorias podem ser dispensáveis. “Sabemos que as sub-relatorias estão sendo criadas para dar representatividade partidária à CPI, mas o trabalho do relator não é partidário”, disse.

O deputado Ivan Valente (Psol-SP) disse estranhar que o presidente indique sub-relatores. “Apesar de não existir previsão regimental para a criação de sub-relatorias, em outras CPIs isso sempre foi feito pelo relator e não pelo presidente.”

O presidente da comissão e o deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA) trocaram ofensas na comissão. O Psol, o PT, o PPS e o PSB reclamaram do fato de não terem sido consultados a respeito dos nomes que ocuparão as quatro sub-relatorias criadas pelo presidente.

O deputado Afonso Florence (PT-BA) disse que a nomeação de quatro sub-relatores não está na pauta da reunião desta quinta-feira e quer o adiamento da decisão, com uma negociação entre os partidos representados na comissão para a indicação dos nomes.

Florence pediu ao presidente da CPI que seja feito um acordo entre os partidos, com base na proporcionalidade partidária, para a ocupação das anunciadas quatro sub-relatorias.

Além de criar as sub-relatorias, o deputado Hugo Motta confirmou que a comissão só vai investigar os fatos e o período que constam do ato de sua criação. Isso significa que a CPI vai se concentrar no período entre 2005 e 2015, conforme decisão anunciada pelo presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

LEIA TAMBÉM

- Ministro da Educação é chamado de mal-educado por Cunha após dizer que deputados são 'achacadores

- Doleiro Alberto Yousseff diz que obra na refinaria Abreu e Lima (PE) gerou propina para PP, PSDB e PSB, diz jornal

- Em risco? Casa do procurador-geral da República é arrombada e invadida

- Costa recebeu mesada de R$ 550 mil em propina depois que saiu da Petrobras

- Swiss Leaks: Queiroz Galvão é citada e reforça Suíça como ‘paraíso' de grana suja da Petrobras