NOTÍCIAS
03/03/2015 22:11 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

PT escolhe Paulo Pimenta para presidir a Comissão de Direitos Humanos

WikiCommons

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) será o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH). A escolha foi anunciada pelo PT no Twitter na noite desta terça-feira (3).

A divisão do comando das comissões foi feita na tarde desta terça-feira na reunião de líderes. O bloco encabeçado pelo PT ficou com sete colegiados. Até o início da noite, o partido discutia com o PCdoB qual das duas legendas ficaria com a CDH.

Embora não fosse prioridade para o PT, o bloco se articulou para inviabilizar que a comissão fosse parar nas mãos da bancada da bala ou da evangélica.

O destino da CDH agradou parlamentares, ONGs e ativistas progressistas, que temiam que a comissão ficasse novamente sob o comando de conservadores, como ocorreu 2013.

Lavagem de dinheiro

Pimenta era cotado para assumir o comando da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, que acabou ficando com o deputado Vicente Cândido (PT-SP).

De acordo com a Folha de S.Paulo, o deputado gaúcho é investigado, desde 2012, por lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores. O inquérito tramita no STF em segredo de Justiça. Ao jornal, o deputado negou envolvimento na ação e disse ter convicção de que o processo será arquivado.

Apesar da confirmação do PT na presidência da CDH, ainda existe a possibilidade de um novo nome assumir. Isso porque, na primeira reunião da comissão, podem ser apresentadas candidaturas avulsas ao comando.

Na semana passada, na instalação da Frente Parlamentar da Segurança Pública, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) anunciou que está colhendo votos para uma candidatura avulsa. No ano passado, Bolsonaro foi derrotado por apenas dois votos de diferença.

A presidência de Marco Feliciano (PSC-SP), em 2013, ficou marcada pelo embate entre conservadores e progressistas. A principal polêmica foi o projeto da cura gay, pautado pelo pastor. A proposta autorizava tratamento psicológico da homossexualidade.

LEIA TAMBÉM

- PT fica com o comando da Comissão de Direitos Humanos

- 'Ele não era de falar besteira', diz mãe do deputado Jair Bolsonaro

- Eduardo Cunha limita autonomia das mulheres na formação da bancada feminina

- Avião da alegria: Câmara volta atrás de decisão sobre passagem grátis para cônjuges