NOTÍCIAS
20/02/2015 15:09 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Setor de serviços fecha 2014 com o menor crescimento histórico e abaixo do índice da inflação, diz IBGE

iStock

A receita bruta do setor de serviços - o que inclui desde a ida da sua mãe à manicure até o quanto você gastou no restaurante - cresceu 6,0% em 2014: a menor taxa histórica da série, iniciada em 2012.

É o que mostra a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta sexta-feira (20). Entre as atividades, a menor evolução na receita nominal aconteceu no segmento de serviços de informação e comunicação - como o de telemarketing - cujo faturamento total subiu apenas 3,4% em 2014 em relação ao ano anterior.

Os serviços de transportes, serviços auxiliares de transportes e correio cresceram 6,4% na receita nominal no ano passado, ante 2013.

Também registraram avanço no ano as atividades de outros serviços (6,8%), serviços profissionais, administrativos e complementares (8,5%) e serviços prestados às famílias (9,2%).

Dezembro

No 12º mês de 2014, houve crescimento de 4,2% sobre o mesmo mês de 2013. O resultado também superou novembro (em que cresceu 3,7%), mas ficou abaixo de outubro (5,2%).

Novamente,o destaque vai para os serviços de informação e comunicação, e desta vez pela queda. Em relação a dezembro de 2013, o setor registrou queda nominal na receita, com recuo de 1,2%. Isso quer dizer que, mesmo sem descontar o efeito de aumento de preços, o segmento ficou no vermelho.

Na mesma base de comparação, registraram crescimento os serviços prestados às famílias, com alta de 8,9% (a maior taxa nesta comparação desde agosto de 2014, quando subiu 9,0%), os serviços profissionais, administrativos e complementares (10,9%), os serviços de transportes, auxiliares dos transportes e correio (4,8%) e outros serviços, com elevação de 3,2% - a menor taxa nesta base desde junho de 2014, quando a alta foi de 1,1%.

Abaixo inflação

O crescimento anual, contudo, não acompanhou a inflação acumulada no período, que foi de 6,4%, segundo o IPCA (Índice de Preços do Consumidor Amplo), medido pelo IBGE. Isso significa que, apesar de apresentar resultados positivos ao longo do ano, o setor de Serviços não está indo tão bem - assim como outros setores da economia brasileira.

(Com informações Estadão Conteúdo)