NOTÍCIAS
20/02/2015 09:46 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, é preso pelo serviço de inteligência venezuelano acusado de tramar golpe de Estado

Reuters / Reprodução Youtube

O prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, foi preso na noite de quinta-feira (19) por agentes do Serviço Bolivariano de Informação (Sebin), o serviço de inteligência da Venezuela.

Ledezma é um forte opositor ao governo chavista e é acusado pelo presidente Nicolás Maduro de planejar um golpe de Estado.

Ele foi detido em seu escritório e, momentos antes, escreveu em sua conta no Twitter: "meu escritório prestes a ser invadido por agentes do regime".

Desde a prisão de Ledezma, quem atualiza sua conta do Twitter é sua mulher, que afirma desconhecer o paradeiro do marido desde que ele foi levado por agentes de segurança. "Faço de Nicolás Maduro o responsável pela vida de meu esposo", afirmou.

Em discurso proferido na noite de quinta, horas após a prisão, o presidente Maduro disseque Ledezma "será responsabilizado por todos os seus crimes". O prefeito nega todas as acusações.

Um membro da equipe de segurança de Ledezema, que preferiu não se identificar, afirmou que homens vestidos com o uniforme do Sebin entraram armados no prédio da Prefeitura.

Eles teriam usado as armas para quebrar as portas e abrir passagem. Depois, outra dezena de homens, estes com máscaras, invadiu o local e agrediu o prefeito antes de levá-lo.

"Eles o levaram à força, bateram nele, mais uma vez violaram os direitos humanos", afirmou a diretora-geral do gabinete da Prefeitura Metropolitana de Caracas, Helen Fernández, ao canal VIVOplay.

Hector Urgelles, um porta-voz do partido de Ledezma, a Aliança Bravo Povo, disse que os homens não se identificaram e não informaram nenhuma razão para prender o prefeito. A notícia desencadeou protestos na capital do país.

No Twitter, a hashtag #LiberenALedezma figura entre as mais populares na Venezuela e motivou muitos usuários a tecerem severas críticas contra o governo Maduro. Está marcada para a manhã desta sexta-feira (20), uma manifestação para pressionar autoridades a soltarem o prefeito.

(Com informações das agências de notícias.)