NOTÍCIAS
14/02/2015 20:21 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Tiroteio em Copenhague: Homem morre após atentado em evento com artista que satirizou Maomé

Uma pessoa morreu e três policiais ficaram feridos neste sábado (14) após um tiroteio em evento público em Copenhague, capital da Dinamarca, que recebia o controverso sueco Lars Vilks, artista de 68 anos que satirizou o profeta Maomé no passado. A polícia confirmou que um civil de 40 anos morreu no tiroteio.

Vilks provocou polêmica em 2007 com a publicação de desenhos retratando o profeta Maomé como um cachorro, o que gerou ameaças de morte de grupos de militantes islâmicos. (No ano passado, uma mulher norte-americana que se autoplocamava Jihad Jane foi condenada a dez anos de prisão por planejar o assassinato de Vilks.) Desde então, ele vive sob forte esquema de segurança.

O embaixador da França na Dinamarca, que participava do evento, assim como Vilks, saíram ilesos.

O ataque ocorreu em um café que foi sede de um anunciado debate sobre arte e blasfêmia, no centro da cidade. "Os guardas gritaram 'todo mundo sai' e nós fomos empurrados para fora da sala", disse a organizadora do evento Helle Merete Brix, à Reuters, por telefone. "Eu vi um deles correndo, usando uma máscara. Não havia nenhuma maneira de descrever seu rosto. Eu nem tenho certeza se se tratava de um ou dois (suspeitos)."

O embaixador francês Francois Zimeray tweetou que estava "ainda está vivo na sala".

"Eles atiraram em nós de fora do prédio, foi a mesma intenção que tiveram no Charlie Hebdo, exceto que eles não puderam entrar", disse ele, segundo a agência de notícias francesa AFP.

Apenas há pouco mais de um mês, 17 pessoas foram mortas na França em três dias de violência que começaram quando dois homens armados invadiram o semanário Charlie Hebdo, abrindo fogo contra as pessoas na redação como vingança pela publicação de imagens que satirizavam o profeta Maomé.

O presidente da França, François Hollande, disse que o Ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, irá para Copenhague assim que possível.

INVESTIGAÇÃO E ALERTA

A polícia dinamarquesa está investigando o tiroteio como um "ato terrorista", disse aos jornalistas Jorgen Skov, porta-voz da polícia. O comandante da polícia Henrik Blandebjerg afirmou à TV local que havia dois suspeitos, e que um carro de fuga foi encontrado nos arredores da capital. Em seguida, depoimentos preliminares de testemunhas sugeriam que teria sido apenas um terrorista, e não dois.

Autoridades do sul da Suécia disseram que estavam ajudando a polícia dinamarquesa. A Suécia se une à Dinamarca por ponte, e de trânsito praticamente não tem fiscalização.

A primeira-ministra da Dinamarca, Helle Thorning-Schmidt, disse que o país estava em alerta máximo após o atentado. "Nós temos certeza agora que aquilo foi um ataque politicamente motivado e, assim, foi um ataque terrorista", disse ela repórteres perto do local do tiroteio. "Estamos em estado de alerta em todo o país."

A polícia divulgou uma foto do suspeito.

(Com Reuters)