NOTÍCIAS
13/02/2015 14:17 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Tinder vira alvo de críticas na internet após se opor à campanha do Ministério da Saúde para incentivo do uso da camisinha

A campanha do Ministério da Saúde de incentivo ao uso da camisinha às vésperas do Carnaval gerou uma reação negativa de um dos aplicativos de relacionamentos mais utilizados no Brasil.

O Tinder se irritou com a presença de perfis fakes do ministério no app, com intuito de conscientizar os jovens a ter relações sexuais seguras.

Segundo o G1, a vice-presidente de Comunicação e Branding do Tinder, Rosette Pambakian, tuitou para o perfil do ministério no Twitter que a campanha não havia sido autorizada:

"Nós estamos apagando os perfis, uma vez que eles violam nossos termos de serviço. Você não está autorizado a fazer propaganda no Tinder."

Boa parte dos internautas aprovou essa campanha de conscientização e, por isso, criticou a resposta da executiva, que foi deletada pouco depois de postada:

Comportamento de risco

O Ministério da Saúde cinco perfis falsos no Tinder e no Hornet, app usado para encontros de gays.

Todos se apresentavam como adeptos do sexo sem preservativo.

O propósito era se comunicar justamente com pessoas que têm esse comportamento de risco e indicar para elas a necessidade de usar a camisinha e fazer o teste do HIV.

As ações foram realizadas em Salvador, Rio de Janeiro e Brasília.

O aplicativo foi ligado pelos "educadores" de saúde sexual em bares, locais de shows e baladas LGBT.

"Hoje os jovens apresentam um comportamento cada vez mais liberal, com mais parceiros ocasionais", disse o ministro da Saúde, Arthur Chioro, nesta semana.

Pesquisa divulgada no fim de janeiro mostrou que, mesmo informados, 45% dos brasileiros fazem sexo sem camisinha.

Qual é a sua opinião? Participe de nossa enquete: