NOTÍCIAS
11/02/2015 16:26 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Explosão em plataforma da Petrobras deixa 3 mortos no ES

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Uma explosão no navio plataforma da Petrobras FPSO Cidade de São Mateus deixou pelo menos três trabalhadores mortos, quatro feridos e outros desaparecidos no litoral

Uma explosão no navio plataforma da Petrobras FPSO Cidade de São Mateus deixou pelo menos três trabalhadores mortos, quatro feridos e seis desaparecidos no litoral capixaba nesta quarta-feira (11).

Segundo a Petrobras, 74 pessoas estavam a bordo do navio no momento do acidente, e 43 funcionários foram retirados da plataforma.

De acordo com a ANP (Agência Nacional do Petróleo) não houve derramamento de óleo, o fogo já foi debelado e a plataforma está estabilizada. Uma explosão aconteceu na casa de bombas da unidade. Trinta e três pessoas foram desembarcadas e outras 31 permanecem a bordo.

"A plataforma está sem comunicação. Estamos fazendo contato por meio da plataforma Vitória (próxima ao local do acidente)", disse o diretor do Departamento de Segurança da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel.

A FPSO produziu em média 2,5 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia e 2 mil barris de petróleo por dia em dezembro, segundo Rangel. A plataforma operava nos campos de Camarupim e Camarupim Norte, a cerca de 80 km da capital do Estado, Vitória.

Feridos

Um esquema especial para receber os feridos foi montado no aeroporto de Vitória. A Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo informou, em nota, que dez vítimas da explosão na plataforma da Petrobras chegaram a Vitória até 17h desta quarta-feira, 11: duas com queimaduras graves e oito vítimas de trauma.

Duas ambulâncias do Samu 192 e quatro "motolâncias" prestaram atendimento aos pacientes, que foram encaminhados para o Vitória Apart Hospital e Hospital Metropolitano, ambos em Serra, na região metropolitana de Vitória. O comunicado não menciona se houve mortos no acidente.

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, a presidente Dilma Rousseff pediu explicações sobre o acidente para o presidente da Petrobras. Aldemir Bendine disse à presidente que a estatal está prestando atendimento às vítimas e aos familiares que trabalhavam na plataforma.

Já o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, confirmou que o o navio-plataforma não era da Petrobras. "Fui informado [sobre o acidente] quando estava, inclusive, com a presidenta. Quero lamentar profundamente esse incidente, acidente, que aconteceu. O equipamento era alugado, não era da Petrobras".

O governo irá aguardar que a FPSO, empresa que privada que opera a plataforma, se manifeste.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)