NOTÍCIAS
10/02/2015 10:24 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:54 -02

Distância do Congresso e da base pode atrapalhar Dilma a recuperar popularidade

Por Maria Carolina Marcello e Jeferson Ribeiro BRASÍLIA (Reuters) - O abismo que a presidente Dilma Rousseff cavou entre seu governo e a base aliada é uma dificuldade adicional para recuperar sua

Montagem/Creative Commons/Estadão Conteúdo

O abismo que a presidente Dilma Rousseff cavou entre seu governo e a base aliada é uma dificuldade adicional para recuperar sua popularidade, que chegou ao menor nível desde que assumiu em 2011, avaliaram fontes do governo ouvidas pela Reuters.

Pesquisa Datafolha divulgada no sábado mostrou que desde a eleição, a desaprovação da presidente disparou, com 44% dos entrevistados apontando seu governo como ruim ou péssimo. Esse índice era de 24% em dezembro. Apenas 23% avaliam sua gestão como ótima ou boa. Antes, eram 42%

No Palácio do Planalto, já se estimava um abalo na popularidade da presidente após as eleições do ano passado, mas o que o núcleo mais próximo a Dilma não esperava era uma queda tão brusca como a apontada pela pesquisa

"O governo ficou parado por causa da eleição das Mesas do Congresso. Agora, temos que começar a governar", disse uma fonte do governo à Reuters sob condição de anonimato.

Uma fonte do Palácio do Planalto, também sob condição de anonimato, concordou que o governo gastou energia demais com a sucessão no Congresso e isso só contribuiu para piorar as relações com os aliados. Além disso, a disputa fragmentou a bancada do PT na Câmara.

O governo se empenhou para tentar derrotar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), considerado um desafeto político, e com movimentos explícitos a favor do candidato derrotado do PT, Arlindo Chinaglia (PT-SP), colheu uma derrota retumbante, que fragilizou ainda mais a relação entre o Palácio do Planalto e a base aliada.

Mas justo agora?

O Palácio do Planalto enfrentará esse contexto em que o governo precisará de todo o apoio para passar medidas prioritárias no Congresso.

O governo tem pela frente o desafio de aprovar, num Legislativo pulverizado, com uma base estremecida e uma oposição mais forte, duas medidas provisórias (MPs) contendo os ajustes nas regras para acesso a pensões por morte e a seguro-desemprego e abono salarial, além de medida que eleva as alíquotas de PIS/Pasep e Cofins sobre a importação de mercadorias, propostas tidas como impopulares.

A pauta problemática inclui ainda o Orçamento para este ano, proposta para o reajuste do salário mínimo, a prorrogação da Desvinculação de Receitas da União (DRU) – mecanismo que permite ao governo remanejar livremente 20% do que arrecada e tem seu prazo encerrado em dezembro de 2015, e a reforma política, bandeira do momento martelada por políticos dos mais variados espectros ideológicos.

O governo corre ainda o risco de ver, em sessão do Congresso Nacional prevista para a primeira terça-feira após o Carnaval, a derrubada do veto presidencial a projeto que previa um reajuste de 6,5% na tabela do Imposto de Renda para pessoas físicas, caso não envie proposta com correção de 4,4%.

Na avaliação da fonte do Planalto, o discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sexta-feira, em Belo Horizonte, durante as comemorações de 35 anos de fundação do PT, deve servir como linha guia para o governo nesse momento de baixa popularidade. Lula pediu que os petistas deixassem as diferenças de lado e se unissem para defender o governo.

Um peemedebista afirmou, porém, que o problema não está restrito ao PT. Na avaliação dele, a presidente está se isolando politicamente, tanto do PT como dos aliados.

"Há uma desconexão da presidente com seu suporte político. E há equívocos na condução política. Ela está se isolando", criticou.

Esse aliado lembrou que quando Lula enfrentou seu pior momento político, durante a eclosão do escândalo do mensalão, em 2005, recorreu aos aliados e costurou acordos políticos que lhe garantiram a reeleição.

"Quem tem que dar esse comando é a presidente. O PMDB está disposto a ajudar, mas não pode fazer nada sem a presidente dar esse start", analisou o peemedebista.

Distância do Congresso e da base pode atrapalhar Dilma a recuperar popularidade no momento em que mais precisa de apoio e união.