NOTÍCIAS
05/02/2015 21:25 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:53 -02

'Tem visão de mundo limitada', diz Romário sobre colunista polêmica

Agência Senado/Flickr
Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE): deputado federal Romário (PSB-RJ) fala durante debate sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) 328/2010, que dispõe sobre o mandato de dirigentes de clubes, federações, confederações e outras entidades esportivas. Foto: Márcia Kalume/Agência Senado

O senador Romário Faria (PSB-RJ) publicou na noite desta quinta-feira (5), em sua página no Facebook, um texto de repúdio à blogueira do jornal O Globo Silvia Pilz. No post, Romário afirma que as palavras de Pilz "são apenas tolices de uma pessoa com uma visão de mundo bastante limitada".

A blogueira foi alvo de uma enxurrada de críticas nas redes sociais no início deste ano depois de escrever um texto no qual faz "humor" sobre pobres e seus problemas de saúde.

Intitulado "O plano cobre", o texto começa assim: "Todo pobre tem problema de pressão. Seja real ou imaginário. É uma coisa impressionante. E todos têm fascinação por aferir [verificar] a pressão constantemente. Pobre desmaia em velório, tem queda ou pico de pressão. Em churrascos, não".

Para responder aos comentários, Pilz fez uma atualização no post dizendo que se tratava de "humor cáustico".

Os internautas continuaram sem achar nenhuma graça no texto, e desenterraram outros artigos polêmicos da blogueira. Em um deles, escrito em julho do ano passado, ela afirma que "de cara, um anão assusta, assim como, de cara, crianças com Síndrome de Down também nos causam certo desconforto".

Em outro, também repleto de preconceito, a blogueira descreveu sua viagem a Salamanca: "nos deparamos com um enxame de crianças com síndrome de down circulando pelas ruas. Parecia um pesadelo mas era só um grupo de crianças especiais conhecendo a cidade".

E continua: "Será que o enxame de crianças com síndrome de Down ainda está por aqui? Eles devem ter alguma coisa para nos ensinar. Vejo sempre relatos de pais emocionados, como se fossem abençoados. Deus, como temos dificuldade em assumir fardos!"

Pai de uma menina de nove anos portadora da Síndrome de Down, Romário propôs uma reflexão sobre o que é "ser igual" e completou: "Ela vive em um tempo que não lhe cabe mais. (...) Já vivemos um tempo em que pessoas eram escravizadas pela cor da pele, por disputas territoriais ou guerras. Neste mesmo tempo, crianças nascidas com deficiência não tinham vez, eram abandonadas, doadas, escondidas. Anões (sim, eles continuam sendo chamados assim) eram expostos em feiras de bizarrices. E tudo isso era considerado normal. Este tempo passou".