NOTÍCIAS
03/02/2015 15:54 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Estado Islâmico divulga vídeo onde piloto jordaniano é queimado vivo

Montagem / Twitter / Agências

O Estado Islâmico divulgou nesta terça-feira (3), um vídeo onde o piloto jordaniano Muath al-Kasaesbeh é queimado vivo.

De acordo com o New York Times, o material tem 22 minutos e aborda o papel da Jordânia na coalizão contra o grupo jihadista. No final do vídeo, o piloto é queimado vivo dentro de uma jaula. A autenticidade do vídeo não foi imediatamente confirmada.

Segundo o jornal francês Le Monde, a Jordânia confirmou a morte do piloto. Segundo a BBC, ele foi morto há um mês.

Kasaesbeh foi capturado depois que seu avião caiu no nordeste da Síria, em dezembro, durante uma missão de bombardeio contra os militantes.

Durante o mês de janeiro, o Estado Islâmico e a Jordânia negociaram a libertação de Kasaesbeh e de outro refém, o jornalista japonês Kenji Goto se a terrorista iraquiana Sajida al-Rishawi fosse solta. Ela está presa desde 2005 na Jordânia por sua participação em um atentado terrorista.

A troca de prisioneiros não teria sido concluída porque o Estado Islâmico não enviou uma prova de que Kasaesbeh estivesse vivo. Não se sabe a data em que a execução do piloto foi gravada.

No último sábado (31), o grupo divulgou um vídeo com cenas da decapitação de Goto.

Estados Unidos

A Casa Branca afirmou que as agências de inteligência dos Estados Unidos estavam trabalhando para confirmar a autenticidade do vídeo.

"Os Estados Unidos condenam fortemente as ações do Isil e exigimos a imediata libertação de todos aqueles mantidos reféns pelo Isil", disse a porta-voz da Casa Branca, Bernadette Meehan, em comunicado, usando outra sigla para identificar o grupo.

"Nos solidarizamos com o governo da Jordânia e o povo da Jordânia", disse ela.

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que o vídeo, se confirmado como autêntico, seria mais um sinal da "crueldade e barbárie" do grupo militante.

"Seja qual for a ideologia que eles estejam operando, está arruinada", disse Obama a jornalistas, ressaltando que o vídeo vai redobrar a determinação da coalizão liderada pelos EUA na luta contra o grupo na Síria e no Iraque.

(Com informações da Reuters)