NOTÍCIAS
02/02/2015 21:58 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Designer cria livro que é aberto apenas se o leitor não demonstrar expressões de julgamento

O ditado popular é bem claro: "não julgue um livro pela capa". É um adágio que faz sentido: muitas narrativas espetaculares estão escondidas atrás de capas horríveis ou de títulos péssimos.

Um exemplo de bom livro com capa medonha é a edição brasileira de 1981 de "Lolita", do escritor Vladimir Nabokov:

Mas isso agora mudou — a capa do livro é que julga o leitor. O designer Thijs Biersteker e o estúdio holandês Moore criaram uma capa de livro que, com ajuda de tecnologia de ponta, não abre se o leitor mostrar sinais de julgamento. Uma câmera integrada e um sistema de reconhecimento facial fazem a leitura do rosto da pessoa, e o livro é desbloqueado apenas se as expressões forem neutras.

"Meu objetivo é criar uma capa de livro que seja humana e de alta tecnologia. Quando você se aproxima do livro, se está empolgado demais ou se demonstrar ceticismo, o livro permanecerá travado", explica Biersteker em seu site. "Mas se sua expressão for neutra — ou seja, sem julgamentos —, o sistema enviará um pulso e o livro se desbloqueará. Eu sempre me preocupo com a possibilidade de meu ceticismo ou meu julgamento atrapalhar minha admiração. O julgamento nunca deve impedir o entusiasmo incansável de ver as coisas pela primeira vez.