NOTÍCIAS
30/01/2015 18:46 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Secretário diz que foi desnecessário uso de bomba no metrô de SP durante protesto

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, considerou desnecessário o uso de bombas de gás lacrimogêneo pela Polícia Militar dentro de uma estação de metrô durante manifestação contra o aumento da passagem ocorrida na última terça-feira (27).

"A regra permite excepcionalmente a utilização (de bombas de gás dentro de estações). Nós vamos pedir para o comandante apurar porque eu também vi o vídeo e não achei necessário o lançamento de bombas de gás no metrô. Mas eu não estava lá presente, vi pelos vídeos que estão sendo mostrado. Está sendo apurado"

Segundo Moraes, o confronto teria sido minimizado se a concessionária tivesse liberado as catracas. "A PM solicitou para a concessionária naquele momento liberar as catracas para evitar o tumulto mas a demora nisso acabou gerando o tumulto".

O secretário disse ainda que a Corregedoria da PM está avaliando os casos de dois repórteres do jornal O Estado de S. Paulo que foram atacados com balas de borracha por policiais durante a cobertura das manifestações.

"Aparentemente houve abuso. Se confirmado, haverá punição". Moraes negou, no entanto, que a polícia esteja atuando com truculência nos atos. "Nas outras manifestações, isto esta sendo filmado, claramente houve necessidade de reação".

Mortes por PMs

O secretário comentou o relatório da Human Rights Watch, que mostrou que o número de mortes por PMs em conflito dobrou em São Paulo entre 2013 e 2014.

"Isso demonstra que há hoje um conflito maior nas ocorrências. Tivemos isso demonstrado nesta semana, infelizmente, quando a polícia chegou em uma ocorrência de furto a caixa eletrônico e foi recebida por fuzis. Vamos tratar disso colocando mais policiamento na rua. Isso tende a evitar mais conflitos. Ao mesmo tempo, qualquer desvio da atividade policial será duramente apenado".