NOTÍCIAS
28/01/2015 14:00 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Minas Gerais pode sofrer 'racionamento severo' de água daqui a três meses, adverte governador Fernando Pimentel

Montagem/Estadão Conteúdo/iStock

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, disse nesta quarta-feira (28) que o estado pode enfrentar um racionamento “severo” de água daqui a três meses. O estado é um dos mais atingidos pela crise hídrica que ameaça o abastecimento em parte do país.

“Se não chover, se o consumo não cair e a vazão não aumentar, se não conseguirmos mais captação, em três meses vamos ter que racionar severamente”, disse o governador após reunir-se com a presidenta Dilma Rousseff e o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, no Palácio do Planalto, para discutir a situação dos reservatórios mineiros.

Apesar do diagnóstico pessimista, Pimentel espera que medidas emergenciais possam atenuar os impactos da escassez e evitar o racionamento.

O governo mineiro estabeleceu a meta de economia de 30% de água na região metropolitana de Belo Horizonte e criará uma sobretaxa para quem consumir mais água que em 2014.

Além disso, uma obra de transposição do Rio Paraopeba para o Rio Manso, que abastece a capital, deverá melhorar o cenário até o fim do ano, antes da próxima estiagem.

“Vai chover um pouco, podemos aumentar a captação mesmo sem essa obra [transposição], e o consumo vai cair. Colocamos essa meta de 30%, que é uma meta factível e que nos permite vislumbrar atravessar o ano sem medidas drásticas, mas se isso não acontecer, vamos para o rodízio e para o racionamento.”

A obra de aumento da vazão do Rio Manso deverá ficar pronta em novembro e será financiada com um aditivo em um contrato de Parceria Público Privada que já existe, de acordo com o ministro Nelson Barbosa.

Segundo Pimentel, a obra custará “menos de R$ 1 bilhão”.

Críticas ao governo tucano

O governador mineiro criticou a ausência de medidas do governo anterior em relação à crise hídrica em Minas e disse que a situação já era conhecida desde o ano passado quando o governador era Alberto Pinto Coelho, do PP, que assumiu o cargo no lugar de Antonio Anastasia, do PSDB, em abril.

Anastasia deixou o cargo para concorrer a uma vaga ao Senado nas eleições do ano passado.

“Essa situação já podia ter sido detectada em meados do ano passado; a Agência Nacional de Águas chegou a fazer dois alertas para a Copasa, nossa empresa estadual de saneamento, em agosto e em setembro, sobre a gravidade da situação, e esses alertas não foram levados em conta. A população não foi comunicada da gravidade da situação e essas medidas de economia, que podiam ter sido adotadas há seis meses, não foram. Vão ter que ser tomadas agora, com atraso, e portanto, com mais intensidade.”

Além de Pimentel, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, também será recebido por Dilma nesta quarta-feira para discutir medidas de apoio do governo federal no enfrentamento da crise hídrica.

LEIA MAIS:

- Crise hídrica atinge Ouro Preto, em Minas; maior carnaval universitário do País sofrerá com rodízio de água

- Quase 77 milhões de brasileiros de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais vivem o medo de ficar sem água nos próximos meses

- Crise hídrica: Governo de MG pode decretar racionamento