NOTÍCIAS
28/01/2015 08:24 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Ato do MPL termina com confronto entre PM e manifestantes em estação da Linha 4 na zona oeste de SP

MARIO ÂNGELO/SIGMAPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A manifestação que ocorreu nesta terça-feira (27) em São Paulo contra o aumento da tarifa nos transportes terminou por volta das 22h, no Largo da Batata. O ato foi pacífico durante todo o trajeto. O Movimento Passe Livre (MPL) declarou que 10 mil pessoas participaram da passeata. A Polícia Militar (PM) disse que foram mil. Confronto mesmo só após o final do ato.

O trajeto foi definido em assembleia e a passeata saiu do Largo da Batata, seguiu pela Avenida Faria Lima, Avenida Eusébio Matoso e pela Marginal Pinheiros. O ponto final seria o Terminal Pinheiros de ônibus e metrô. Porém, os manifestantes continuaram na Marginal Pinheiros, voltaram para a Avenida Faria Lima e terminaram o protesto no mesmo local em que foi iniciado, no Largo da Batata.

O policiamento no trajeto foi intenso. Em frente a concessionárias de veículos e agência bancárias havia viaturas e policiais posicionados. A Tropa de Choque acompanhou a passeata e fez um bloqueio na Ponte Eusébio Matoso. As pessoas entraram na Marginal Pinheiros pelo acesso lateral e seguiram sentido Avenida Presidente Castelo Branco pela pista.

Uma confusão aconteceu por volta de 22h30, dentro da Estação Faria Lima da Linha4-Amarela do metrô. Manifestantes sentaram no chão, em frente às catracas. Eles alegam que a PM abriu fogo sem razão...

... enquanto a PM alega que teve de agir, uma vez que os manifestantes impediam o acesso ao metrô.

Na última manifestação, no dia 23, a PM usou bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar a multidão. Segundo a PM, rojões e bombas foram atirados contra policiais. A ação da polícia atingiu pessoas que protestavam pacificamente. “É no mínimo absurdo que, depois que supostos rojões são atirados de um edifício contra os manifestantes, os policiais ataquem a manifestação, de onde não partiu nenhuma agressão”, declarou o MPL sobre o episódio.

Na próxima quinta-feira (29), o MPL marcou o sexto ato contra as tarifas, às 17h, no vão do Museu de Arte de São Paulo (Masp).