NOTÍCIAS
28/01/2015 19:01 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Ataques do Boko Haram já fizeram pelo menos 1 milhão de nigerianos deixarem suas casas (FOTOS)

Reuters

Depois de o Boko Haram matar mais de 2.000 pessoas na região nordeste da Nigéria apenas no mês de janeiro, cerca de 1 milhão de pessoas já deixaram suas casas no país.

Segundo a Organização das Nações Unidas, além dos que se deslocaram internamente no país, pelo menos 135 mil pessoas buscaram refúgio nos Camarões, no Chade e no Níger. Mais de cem crianças chegaram sozinhas ao Chade, sem a companhia dos pais ou de algum adulto.

Segundo a Unicef, a maioria do contingente de refugiados nigerianos é formada por mulheres e crianças.

Dentro da Nigéria, a maior parte dos refugiados se concentra em Yola, capital do estado de Adamawa. De acordo com informações do Guardian, a população de refugiados supera a da cidade, onde vivem 400 mil pessoas.

No entanto, apenas uma pequena parcela dos deslocados está de fato nos campos "oficiais", onde organismos internacionais já reportam a escassez de comida. Em Maiduguri, principal cidade do nordeste nigeriano e que foi atacada pelo Boko Haram, os Médicos sem Fronteiras afirmam que a situação está ficando "insustentável".

Pelo menos 7.000 casos de cólera foram registrados entre setembro e dezembro do ano passado — cerca de metade nos campos de deslocados internos. Milhares de pessoas chegaram ao local após o Boko Haram atacar Monguno, outra cidade da região.

  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Crianças que foram deslocadas de suas cidades de origem por causa dos ataques do Boko Haram comem em campo para refugiados em Yola
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Homem ajuda seu filho a abotoar camiseta. Os dois são nigerianos que deixaram suas casas por causa dos ataques do grupo terrorista Boko Haram
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Menina que deixou sua casa na Nigéria por conta dos ataques do Boko Haram é vista em campo para refugiados na cidade de Yola, a cerca de 400 km de Baga
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Crianças vendem produtos dentro de campo para refugiados na cidade de Yola, na Nigéria
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Menino é visto em campo de refugiados na cidade de Yola, na Nigéria. A ONU calcula que cerca de 1 milhão de pessoas deixaram suas casas por conta dos ataques do Boko Haram.
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Além dos deslocados internos, milhares de nigerianos fugiram para países vizinhos como o Chade, os Camarões e o Niger
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Equipes do Médicos Sem Fronteiras afirmam que a situação em Maiduguri, no nordeste do país, está ficando insustentável
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Crianças assistem aulas em escola dentro de campo para refugiados na Nigéria
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Escola dentro de campo para deslocados internos, em Yola, na Nigéria. Estima-se que mais de um milhão de pessoas deixaram suas casas por causa dos ataques do Boko Haram
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Campo de refugiados na Nigéria, a cerca de 600 km da cidade de Baga, epicentro do ataque mais violento do Boko Haram; estima-se que 2.000 pessoas tenham sido mortas por lá
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Mulher com a filha nos braços em campo de refugiados na Nigéria
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Lurky, um bebê cuja família foi deslocada por causa dos ataques do Boko Haram, dorme no campo de refugiados em Yola
  • REUTERS/Afolabi Sotunde
    Vista geral do campo de deslocados internos em Yola, na Nigéria. Segundo dados oficiais, apenas uma pequena parte dos refugiados está nesses campos