NOTÍCIAS
22/01/2015 19:59 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Prisioneiro de Guantánamo detalha torturas no primeiro livro escrito dentro da prisão

O primeiro livro publicado por um prisioneiro de Guantánamo que descreve 13 anos de episódios de tortura, humilhação e desespero tornou-se um sucesso de vendas desde ontem (21), nos Estados Unidos, atraindo uma incomum atenção para o caso do autor.

O relato escrito por Mohamedou Ould Slahi a partir da base naval dos EUA em Cuba, "Guantanamo Diary" ("Diário de Guantánamo"), foi lançado na terça-feira (20) após uma batalha legal de sete anos.

O livro reconstitui banhos de gelo, degradações e humilhações diversas num relato em primeira pessoa sobre os interrogatórios aos quais Slahi foi submetido durante a guerra dos EUA contra o terrorismo, ainda que ele nunca tenha sido acusado de qualquer crime.

Um tribunal federal norte-americano ordenou a libertação de Slahi, de 44 anos, em 2010, mas a decisão nunca foi cumprida e ele permanece encarcerado.

O manuscrito de 466 páginas de Slahi foi inicialmente classificado como documento secreto pelo governo dos EUA e passou por uma edição forte antes da publicação.

"Ele é um homem inocente. Ele permanece detido ilegalmente e deveria ser a pessoa a contar sua história. Sem censura", disse a advogada de Slahi, Hina Shamsi, da União Americana pelas Liberdades Civis.

Desde seu lançamento, "Guantanamo Diary" está entre os livros vendidos da Amazon.

"Está à venda há apenas um dia, mas o meu telefone não para de tocar, então obviamente que o livro está chegando às pessoas do jeito que gostaríamos", disse a agente Liz Garriga, da Hachete Book Group, companhia à qual pertence a Little, Brown and Co, editora da obra.

Shamsi disse que o suplício de Slahi é mais do que a prova de que a tortura não funciona. Ela citou um trecho no qual ele descreve seus interrogadores como dizendo: "Tudo que você tem que dizer é 'Eu não sei', 'Não me lembro', para a gente te ferrar."

A família de Slahi organizou uma entrevista coletiva em Londres na terça-feira (20) para pedir sua libertação, ao mesmo tempo em que o livro era lançado na Grã-Bretanha. Várias celebridades, incluindo os atores Stephen Fry e Colin Firth, fizeram gravações publicadas on-line de trechos do livro.

Fry leu a descrição de Slahi sobre seu tratamento fora de Guantánamo, quando se encontrava nas mãos de indivíduos árabes que cumpriam ordens dos norte-americanos: "Eles preencheram o espaço entre minhas roupas e eu com cubos de gelo, do pescoço ao tornozelo, e sempre que o gelo derretia, colocavam cubos novos e duros. De vez em quando um dos guardas batia em mim, a maioria das vezes na cara."

Firth leu um trecho sobre greves de fome em Guantánamo e apatia do governo norte-americano em relação a isso. No excerto, também há a indicação dos custos de cada um dos detidos. "Até o momento, eu custei aos pagadores de impostos norte-americanos 1 milhão de dólares e a cifra aumenta a cada dia. Os outros detidos custam mais ou menos o mesmo."

Slahi, natural da Mauritânia, disse que se entregou às autoridades três semanas depois dos ataques de 2001, sendo levado para a Jordânia, onde foi interrogado por vários meses antes de ser enviado ao Afeganistão e então a Cuba, de acordo com transcrições de seu processo judicial militar nos EUA.

Slahi foi descrito pela comissão responsável pela investigação dos atentados de 11 de setembro de 2001 contra o World Trade Center e o Pentágono como "um importante operador da Al Qaeda" que ajudou a organizar a viagem de treinamento ao Afeganistão de membros da célula de Hamburgo, na Alemanha, incluindo dois dos sequestradores do 11 de setembro e o companheiro de quarto de um terceiro.

(Com Reuters)