NOTÍCIAS
22/01/2015 15:21 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Após ataques, França leva combate ao islamismo radical para as escolas

Reuters

A França anunciou novas medidas nesta quinta-feira (22) para ajudar as escolas a combaterem o islamismo radical, o racismo e o antissemitismo, em mais uma das reações aos ataques de militantes islâmicos há duas semanas em Paris.

As medidas, incluindo o treinamento adicional de professores e a inclusão da educação cívica e ética no currículo secular do país, foram anunciadas depois de dezenas de escolas reclamarem de alunos que se recusaram a participar do minuto de silêncio em homenagem às vítimas observado em 8 de janeiro em todo país.

Os símbolos franceses tais como a bandeira e o hino vão ser explicitamente celebrados, e 9 de dezembro será destacado como o "Dia do Secularismo". Alunos pobres vão receber mais bolsas e serão feitos esforços para tornar as escolas mais socialmente diversificadas.

Mil pedagogos vão receber treinamento para ajudar professores a lidar com os questionamentos dos alunos sobre a tradição secular francesa, cidadania e preconceitos, criando um sistema de alerta precoce para identificar e lidar com comportamentos preocupantes desde o início.

Três homens de origem argelina e africana mataram 17 pessoas durante três dias de violência na França, iniciada com um ataque contra o jornal semanal satírico Charlie Hebdo e terminada com um cerco a um mercado judaico em Paris.

Foram relatados ao Ministério da Educação cerca de 200 incidentes em que o minuto de silêncio nacional foi desrespeitado em escolas, e nas redes sociais surgiram relatos sobre os questionamentos observados entre muitos alunos em relação aos limites da liberdade de expressão.

Poucos contestam que muitas crianças, principalmente de origem migrante, sentem-se excluídas no sistema escolar francês, já considerado um dos melhores do mundo mas hoje deixando transparecer algumas falhas. Ainda assim, não há consenso sobre as causas e as soluções para a situação.

"Tem havido um longo código de silêncio sobre esse tipo de problema no sistema nacional de educação", disse Valerie Marty, presidente da associação nacional de pais Peep.

Outros argumentam que a principal causa se encontra no isolamento das populações imigrantes em zonas desprivilegiadas das periferias das grandes cidades.