NOTÍCIAS
21/01/2015 20:08 -02 | Atualizado 28/01/2020 12:56 -03

5 coisas que George Orwell acertou sobre o futuro

Reprodução

Neste mês de janeiro, faz 70 anos que George Orwell morreu. Virou clichê dizer que suas ideias nunca foram tão atuais, mas isso não deixa de ser verdade.

Considerado um dos maiores escritores do século XX, Orwell foi um crítico ferrenho do totalitarismo. Escrita em 1949, sua obra mais consagrada, 1984, retrata um futuro distópico, em que tudo é controlado pelo governo do Grande Irmão e não existem liberdades individuais.

Seria um exagero dizer que o mundo contemporâneo seja assim. Mas ainda é possível identificar uma série de paralelos entre nosso tempo e o mundo orwelliano. Veja alguns:

1. Sorria, você está sendo observado

No livro 1984, o Grande Irmão mantém a população de Oceânia sob constante vigilância por meio das "teletelas", espécie de televisão que tanto transmite quanto capta informações. As recentes revelações de Edward Snowden a respeito de violações do governo norte-americano às liberdades individuais são sintomas de uma sociedade sob vigilância.

E não são apenas os governos que violam a privacidade dos cidadãos. O Facebook e o Google estão observando tudo o que você faz por trás da sua própria "teletela" particular: tablets, smartphones e laptops.

2. Nossos governantes são fluentes em Novilíngua

A Novilíngua (Newspeak) é uma forma de linguagem utilizada para controlar a população no livro 1984. São banidos antônimos e sinônimos: a palavra "ruim" não existe , apenas coisas imboas, ou seja, não-boas. A função da Novilíngua é dificultar a definição de ideias proibidas para negar sua existência.

É assim que "tortura" vira "técnicas avançadas de interrogatório" para o governo norte-americano, "racionamento" vira "restrição hídrica", nas palavras do governador paulista Geraldo Alckmin, e "caixa-dois" vira "recurso não-contabilizado" nas palavras do governo federal petista.

3. Guerra perpétua

Em 1984, o mundo vive em uma constante guerra entre a Oceânia, a Eurásia e a Lestásia, os três superestados que dominam a geopolítica mundial.

De acordo com o Institute for Economics and Peace, apenas 11 países no mundo não estão envolvidos em qualquer tipo de guerra. Isso sem falar em conflitos internos...

4. O de cima sobe, e o de baixo desce

Na Oceânia, a estrutura social se divide em três classes. O Grande Irmão e o núcleo-duro do Partido, que dominam toda a população, correspondem a 2% dela. A classe média é composta pela estrutura de segundo escalão do partido. A classe baixa, que corresponde a 85% da população, são as chamadas "proles": esfomeados e miseráveis.

De acordo com um estudo divulgado pelo fórum de Davos nesta semana, as riquezas do 1% mais rico do mundo devem superar a fortuna dos 99% restantes da população em 2016. Hoje, mais de um bilhão de pessoas vivem com menos de R$ 3,30 por dia.

5. Eu escolhi esperar

Na Oceânia, sexo é considerado subversão, a não ser que seja realizado com fins de procriação. Os jovens se reúnem na Liga Juvenil Antissexo. Já hoje?