NOTÍCIAS
15/01/2015 13:03 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Em clima de comoção, cartunistas mortos em ataque contra a revista Charlie Hebdo são enterrados na França

Getty Images

Dois cartunistas mortos no ataque contra a revista Charlie Hebdo foram enterrados nesta quinta-feira (15), na França.

Georges Wolinski, 80, e Bernard Verlhac, o Tignous, 57, morreram quando dois atiradores entraram na reunião de pauta da publicação satírica e abriram fogo. Além deles, mais dez pessoas foram mortas no ataque.

Para homenagear Tignous, seu caixão foi coberto com ilustrações. O cartunista foi lembrado em uma cerimônia em Montreuil, nos arredores de Paris.

Também foram enterrados nesta quinta-feira a psicanalista Elsa Cayat, que escrevia uma coluna no semanário e o policial Franck Brinsolaro, que atuava como guarda-costas do editor da Charlie, o cartunista Charb, que também foi morto no ataque.

  • Dan Kitwood/Getty Images
    Amigos e familiares de Elsa Cayat comparecem ao enterro da psicanalista, morta no ataque contra a revista Charlie Hebdo. Cayat escrevia uma coluna para a publicação satírica
  • Dan Kitwood/Getty Images
    Mulher chora durante enterro da psicanalista Elsa Cayat, morta nos ataques contra a revista satírica Charlie Hebdo. Ela escrevia uma coluna na publicação
  • Pascal Le Segretain/Getty Images
    Caixão com o corpo do cartunista Bernard Verlhac, o 'Tignous' é velado em Montreuil
  • REUTERS/Philippe Wojazer
    Caixão do cartunista Bernard Verlhac é carregado após homenagem em Montreuil, nos arredores de Paris
  • Elisa Wolinski, filha do cartunista Georges Wolinski, chega no cemitério Pere Lachaise, em Paris
  • AP Photo/Remy de la Mauviniere
    Um cartaz com os dizeres "eu sou Francky" é colocado no caixão do policial Franck Brinsolaro, enterrado nesta quinta-feira em Bernay. Brinsolaro era guarda-costas do editor da Charlie Hebdo, o Charb. Os dois foram mortos no ataque contra o semanário
  • AP Photo/Remy de la Mauviniere
    Amigos e familiares do policial Franck Brinsolaro, enterrado nesta quinta-feira em Bernay. Brinsolaro era guarda-costas do editor da Charlie Hebdo, o Charb. Os dois foram mortos no ataque contra o semanário
  • AP Photo/Remy de la Mauviniere
    Ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve (à dir.), acompanha o enterro de Franck Brinsolaro. O policial era guarda-costas do editor da Charlie Hebdo, o cartunista Charb
Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost